Em pleno século 21, ainda temos pessoas com este nível de pensamento e ação, mesmo tendo formação e informação.

O bem sempre será maior que o mal. Não podemos permitir este tipo de atitude. Esta pessoa deveria fazer um estágio na APAE,ACD e prestar serviços comunitários nestas entidades para conhecer a realidade e pedir perdão.

Foto de bebê com Síndrome de Down é alvo de ofensas em rede social

O pequeno Fernando, de 11 meses, foi alvo de comentários preconceituosos em uma rede social. Com Síndrome de Down, o bebê foi comparado a um filhote de cachorro em uma foto postada pela tia dele para conscientizar a população sobre o Dia Internacional da Síndrome. A mulher discute com outras pessoas na postagem, alvo de denúncia na Polícia Civil. 

“Lindos quando são pequenos, mas quando crescem só pensam em…”, diz a internauta ao mencionar o ato sexual na postagem. Indignados, pai, mãe e tia procuraram a delegacia para denunciar as ofensas, nesta sexta-feira (24).

“Essa pessoa não tem o que, felizmente, sobra lá em casa, que é amor”, afirma o pai do menino, Heitor Durval Dantas.

A tia, Juliana Preto, foi a primeira a prestar depoimento na delegacia, na manhã desta sexta. Ela defendeu que o sobrinho deve ser respeitado. “Enquanto a gente puder, a gente vai brigar por ele, pelos direitos e pelo respeito que merece”, completou.

Tanto a postagem quanto os comentários foram feitos no Dia Internacional da Síndrome de Down, no dia 21 de março. A internauta suspeita de ter escrito as ofensas deve ser intimada pela polícia ainda nesta sexta. Ela terá um prazo de 48 horas para ser ouvida.

'Lindos quando são pequenos, mas quando crescem só pensam em...', diz a usuária ao mencionar o ato sexual (Foto: Reprodução/Facebook)'Lindos quando são pequenos, mas quando crescem só pensam em...', diz a usuária ao mencionar o ato sexual (Foto: Reprodução/Facebook)

'Lindos quando são pequenos, mas quando crescem só pensam em…', diz a usuária ao mencionar o ato sexual (Foto: Reprodução/Facebook)

 

“Nós vamos enquadrar isso em injúria qualificada. Ela poderá pegar, pelo crime, de 1 a 3 anos de reclusão, além de multa”, explicou o delegado responsável pelo caso, Paulo Rameh.

Pouco tempo após ter publicado, a internauta apagou os comentários. Por telefone, ela disse à reportagem não conhecer a criança. Ela afirma não se arrepender do que fez e não classifica o ato como agressão nem, tampouco, preconceito.

 
 
 

Pais prestam queixa por comentários preconceituosos em rede social

"Não foi agressão. Apaguei os comentários porque estava chegando muita resposta chata. Não foi preconceito, tiraram do contexto. Eu disse que são pessoas, crianças em geral, filhotes em geral — gato, cachorro, coelho, passarinho — são lindos, mas, quando crescem, começam os problemas", disse.

De acordo com o delegado Paulo Rameh, a internauta será ouvida pela Polícia Civil na quarta-feira (29).

Fonte:G1-PE, 26/03/2017

Fernando Cunha

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *