Resultado de imagem para amizadeResultado de imagem para amizade

Remexendo em gavetas e caixas para dá um balanço no final do ano, encontrei um bilhete que um amigo escreveu assim:

"Que neste natal, a nossa amizade fica cada vez mais forte e não esquecer de dá um abraço e depois ir andar na rua"  24 de Dezembro de 1981" f.

Esse bilhete, em forma de cartão de natal, foi um dos últimos, pois aquela data marcaria um início de vida diferentes para ambos os Fernandos, onde cada um seguiu o  seu caminho e o destino reservou, talvez, em algum momento e o Universo conspirou contra nós . Deus o nosso supremo mestre mostra como seguir, os nossos pais sempre desejam acertar o passo, orientando para esta longa caminhada, às vezes imcompreendido. O que nossos pais ensinan é porque os próprios já passaram por esta fase, e nós jovens não sabemos de nada, e achamos que estamos certos; uma coisa eu aprendi: temos que caminhar com nossas próprias pernas, cair, levantar, apanhar,reaprender,discordar, bater a cabeça, e a velha frase: se conselho fosse bom, era vendido; Quando jovens, nós somos egoístas,auto suficientes,arrogantes,sabe tudo, não enxerga um palmo adiante,  não temos tempo para refletir, apenas fazer e experimentar, e nesse turbilhão em nossa cabeça, misturados com tudo é que vamos amadurecer para a vida……mesmo na porrada.

Moravámos na mesma rua, eu estudava em escola pública e ele em escola particular, ele tinha pai, eu não, pois meu pais se separou quando eu tinha 05 anos. Eu não tinha bicicleta, ele tinha; um dia fui mim aventurar em aprender, peguei a magrela emprestada e ele foi na garupa, uma caloi barraforte; e fui, só que de ladeira abaixo, não sabia frear,sem sandália,vimos apenas os carros passando na avenida, e fomos, e a velocidade aumentando, e para nossa sorte, os carros passaram em  zig zag e como uma comédia, atravessamos uma praça, descemos uma escada de vinte degraus e só paramos no campo de areia….ufa, bunda dolorida, canela arranhada, e o susto grande e depois boas risadas de nossa própria besteira…

Todo lugar lá estava os dois magrelos…..sempre juntos…..não tinha lugar e muito menos hora para descobrir,correr,parar, brincar,azarar as meninas que passavam na rua, tirar onda com o pessoal, comer cachorro quente,tomar caldo de cana, ir pro cinema, ir ver monga no circo(até hoje eu não sei como eu conseguir sair da caverna de monga,pense num susto), roda gigante, ficar esperando o circo terminar e saber quem era a mulher que fazia a monga.

dividiamos o lanche, um ajudava o outro.

Começaram a chegar uma rapaziada nova de outro bairro, e querendo fazer amizade conosco,sair, curtir…..

Amizade já não era a mesma, ele sempre dava uma desculpa,os pais preocupados com o comportamento; fui percebendo que tinha algo errado, o seu gesto estava grosseiro, não sorria, estava chato, de repente tudo mudou…

Naquele dia na praia, fomos juntos, e chegando lá estava uma turma diferente, que não conhecia, e fui percebendo um movimento estranho; ele estava embriagado, fumava; e muita gente, foi quando chamei ele e disse:

Cara, você está em um  caminho sem volta! Isso aqui é droga e esse pessoal são malas, eu tô fora; vamos preservar a nossa amizade.

Ele responde – Essa é minha turma agora, minha família, qual o problema? cai fora….tô curtindo…

Vim embora a pé, quase 05 km da Vila da cohab a praia….chorando, por ter perdido um amigo para as drogas.

Não sei o motivo que o levou a escolher este caminho, mas aquele dia foi um divisor de águas…eu disse NÃO e ele SIM.

Já se passaram 35 anos e vejo uma foto dele numa rede social, e penso, que a vida é um livro em branco que você vai escrevendo aos poucos, e a a diferença do livro dele e o meu é que o meu tenhe muitos escritos e o dele está em branco, onde as drogas não permitiu viver…..mas o respeito por ele e amizade ainda continua viva, e quem sabe eu possa dá um abraço fraternal, apertado.

Fernando Cunha – 18/12/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *