CONSUMO CONSCIENTE

8 ações para tornar a rotina mais sustentável

Vivemos uma época de profundas transformações ambientais. É necessário rever hábitos e, de alguma forma, agir. Especialistas lembram atitudes simples que dão resultado

 

 

 

 

 nattu/Creative Commons

Só seremos mais sustentáveis quando deixarmos o peso do termo de lado e fizermos de nossa preocupação uma ação orgânica, rotineira. É isso que defende a escocesa Sara Parkin, diretora da ONG inglesa Forum for the Future e autora do recém-lançado O Divergente Positivo(Peirópolis, com apoio do Planeta Sustentável. Conheça oblog do livro). 
 

A ativista esteve em São Paulo em março para conhecer projetos regionais na área. A questão domeio ambiente, segundo ela, já está entre as maiores preocupações do brasileiro. De acordo com relatório elaborado pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas em 2013, 90% dos brasileiros reconhecem que o problema é grave e 85% admitem que a culpa é da atividade humana. 

Nos últimos anos, secasalagamentos, plantações arrasadas e outras mudanças têm deixado claro que é preciso fazer algo antes que seja tarde demais. "Adotar atitudes sustentáveis tem muito a ver com a nossa capacidade deresiliência: nos transformamos e nos adaptamos depois de choques que exigem mudanças", explica a geógrafa Denise Kronemberger, coautora do livroDesenvolvimento Local Sustentável – Uma Abordagem Prática (Senac), e coordenadora da produção de indicadores de desenvolvimento sustentável no IBGE, critérios que medem a evolução dos assuntos relacionados ao meio ambiente no Brasil, como diminuição de área verde ou acesso ao saneamento básico. Sabe-se que o tom chato e distante que os temas verdes ganharam dificulta transformações na área. Porém, há muito que você pode fazer.


1. QUESTIONE AS SUAS ATITUDES
O que significa sucesso para você? Para a maioria da população, a resposta é morar em uma casa grande, poder viajar sempre e ter um salário gordo. "Vivemos a lógica da competição: queremos ser melhores do que nossos vizinhos e familiares", explica Sara. Não há nada de errado em buscar uma vida confortável, como ela ressalta, mas não devemos nos basear nesses critérios para definir se levamos uma trajetória satisfatória e feliz. Mais importante é ter experiências gratificantes no dia a dia, saúde, bons amigos e momentos de diversão. 

Denise lembra do conceito de Felicidade Interna Bruta, uma analogia ao Produto Interno Bruto (PIB), que mede o progresso do país não só pelo dinheiro gerado mas também pela relação da nação com o meio ambiente e pela qualidade de vida da população. "São essas as coisas que devemos buscar", defende a geógrafa. Com esses conceitos na cabeça, é necessário questionar diariamente as suas ações e motivações. O que você busca no trabalho? Como fortalece suas amizades? O que faz para contribuir com um desenvolvimento sustentável? Use essas respostas como guia na hora de tomar decisões.
 
2. NÃO ESQUEÇA DO BÁSICO
Com uma situação tão alarmante, às vezes achamos que é inútil nos comprometer com as pequenas atitudes, como diminuir o tempo do banho ou levar sacolas reutilizáveis ao supermercado. "A verdade é que, neste momento, tudo conta", explica Sara. Vale, então, aquele esforço para usar ao máximo o transporte público e economizar na conta de luz tirando da tomada tudo que não estiver usando durante o dia, como televisores, micro-ondas, fogão e computadores. 

reciclagem do lixo também ajuda, assim como evitar o desperdício de comida. "Em média, jogamos fora 40% dos alimentos que compramos para casa", afirma a autora.

 

Fonte: Planeta Sustentável

Fernando Cunha – SJE – 16/08/2014

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *