PREPARA QUE A ELEIÇÃO VAI COMEÇAR……

A crise instalada no comando da campanha do PT, tendo como protagonista o ex-ministro do governo Lula Franklin Martins, foi aparentemente debelada sem qualquer baixa na campanha ou no governo, mas uma pendência ainda não foi resolvida: o site Muda Mais, criado e alimentado sob a responsabilidade do próprio Franklin será o site oficial da campanha de Dilma Rousseff ou será um site de suporte, enquanto outro, oficial, seria criado?

"Se é isso o que você quer saber, eu não vou sair da campanha, vou trabalhar. Divergências internas devem ser resolvidas internamente", disse Franklin por telefone, minimizando o atrito interno na campanha.

Na semana passada, o site Muda Mais publicou um texto com críticas duras à CBF, logo depois da derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1. A presidente Dilma Rousseff não gostou do tom e reclamou diretamente com Franklin que, por sua vez, não gostou da queixa. Franklin Martins sempre teve diálogo aberto e direto com Dilma. Mas, diante da irritação dele, entrou em cena o ex-presidente Lula, e a própria Dilma o chamou para uma conversa no Palácio da Alvorada no último sábado. A temperatura baixou, mas a solução sobre o site oficial da campanha ainda não foi encontrada. 

Há visível divergência entre o tom de Franklin Martins com o de João Santana, o responsável pelo marketing da campanha. Dilma fica, na maioria das vezes, ao lado de Santana. E segundo um interlocutor, “como ela é também presidente, o tom deve ser diferente; deve ser tom de presidente e não só de candidata”.

Como Franklin não aceita submeter o conteúdo a outras instâncias da campanha, o Muda Mais poderá ser de suporte da campanha petista. “Ninguém fala pela presidente Dilma”, acrescentou o auxiliar.

"O texto está lá, no site", disse Franklin, para mostrar que não houve repreensão da presidente Dilma ao tom do texto. “Se ela não tivesse gostado, como dizem, não estaria…”, afirmou.

Como saída para evitar novos embates dentro da campanha da reeleição, alguns petistas cogitaram a possibilidade de transferência de Aloízio Mercadante para a coordenação da campanha – assim, ele teria de deixar a Casa Civil.

Mercadante negou: "Chance zero. Tenho de continuar aqui, ainda mais agora que a presidente terá de fazer muitas viagens. Eu cuido da administração", disse ele nesta terça.

Para uns, a eventual transferência de Mercadante para a campanha seria uma forma de prestigiá-lo, pois ele passaria a falar na campanha pela presidente Dilma. Mas, para outros, ela revela uma outra disputa dentro do PT e do governo.

Mercadante é hoje a pessoa mais próxima da presidente Dilma Rousseff e, por seu temperamento, não evita deixar isso bem claro. Embora companheiros de partido há muito tempo, Lula e Mercadante também têm relação de alguns atritos. Lula faz críticas à forma de Mercadante apresentar seus pontos de vista, e isso o incomoda. Por isso, pessoas mais próximas de Lula defendem a ida de Mercadante para a campanha – assim, ele deixaria o cargo tão importante que ocupa no Planalto e no governo.

Uma coisa o comando do PT já decidiu: num eventual segundo mandato de Dilma Roussef, o partido terá presença mais forte, mais clara. “Este mandato foi muito o mandato de Dilma. No próximo, o PT vai estar lá dentro, para preparar a volta de Lula”, diz um petista, contando com a vitória em outubro.

Fonte: G1,Cristiana Lobo, 16/07/2014

Fernando Cunha, Recie, 16/07/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *