Dupla de arquitetas customizam bicicletas em estilo retrô

O hábito de pedalar aos finais de semana no Recife estimulou um novo negócio

Publicado em 21/04/2014, às 07h05

 
 

 

 

 

Leonardo Spinelli

 

 

O recifense aderiu em peso aos feriadões dedicados a rodar a cidade de bicicleta. E para quem é empreendedor, o hábito estimula o surgimento de novos e promissores negócios. Um deles foi desenvolvido pelas arquitetas Maria Escorel e Pat Quintella. Há um ano elas decidiram reciclar suas bicicletas antigas e, a partir daí, os amigos passaram a demandar o mesmo serviço e os amigos dos amigos também, transformando o hobby descompromissado de final de semana em negócio. Hoje elas comandam a Reciclo Bikes, pequena empresa instalada no térreo do Impacto Hub – local de trabalho colaborativo no Porto Digital. O faturamento ainda pequeno, de R$ 7 mil mensais, é o início de um negócio que elas esperam dobrar de tamanho até o final do ano.

 

GALERIA DE IMAGENS

 
Legenda
Anteriores
  • Fotos%3A%20Divulga%E7%E3o
  • Fotos%3A%20Divulga%E7%E3o
  • Fotos%3A%20Divulga%E7%E3o
  • Fotos%3A%20Divulga%E7%E3o

Próximas

 

“O negócio está crescendo. Esse mês vamos lançar o e-commerce, a nossa loja virtual que vai atender nacionalmente. Percebemos que não há nenhuma loja voltada para um produto como o nosso, com peças e acessórios”, diz Maria Escorel. Além dos equipamentos diferenciados como faróis e cestas em estilo retrô, o grande atrativo da Reciclo Bikes é justamente o trabalho de recuperação das bikes. Com muitas cores, delicadeza e um charme personalizado, as duas sócias transformam bicicletas que antes estavam condenadas a enferrujar esquecidas nas garagens. 

“O custo varia bastante. Cada projeto é individualizado. Depende do que quer o cliente. Há selim de R$ 80 a R$ 700, por exemplo. Do zero, a gente monta uma bicicleta por R$ 1.500”, diz a empreendedora. Ela afirma que não sabe a margem de lucro da empresa, mas que tudo é reinvestido no negócio. A empresa não tem funcionário e a parte de serviço de mecânica e pintura é terceirizada. O trabalho delas é desenvolver o projeto.

O espaço no Impacto Hub funciona como um showroom do trabalho das moças e fica aberto todos os dias, inclusive nos feriados, quando as ruas do centro são dominadas pelas ciclovias. Maria explica que, neste um ano de história, as duas já percorreram diversas feiras dedicadas às bicicletas, inclusive internacionais, onde descobrem as novidades que instalam nas bicicletas personalizadas e que também vão passar a vender na loja virtual.

Fonte: JC – 22/04/2014

Fernando Cunha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *