Monthly Archives: maio 2016

EU TENHO UM SONHO, UM SONHO QUE  A TERRA DA POESIA SEJA UM LUGAR SEM VIOLÊNCIA,ONDE AS PESSOAS POSSAM ANDAR LIVRE, SENTAR NA CALÇADA,ANDAR NOS SÍTIOS,TOMAR UMA NOS BARES, SEM DESCONFIANÇA.

Agreste

Ibirajuba comemora 365 sem registrar nenhum homicídio

Publicado em 12/05/2016 , às 09 h24

Evento será realizado na frente da prefeitura do município / Foto: Reprodução.

A Polícia Militar realizará um evento para comemorar um ano sem registrar nenhum homicídio em Ibirajuba, no Agreste de Pernambuco. O evento ocorrerá nesta sexta-feira (13) em frente à prefeitura do município, localizada no centro da cidade, e contará com a presença do Comando da Polícia Militar e de autoridades municipais.

O município, localizado a 53 km de Caruaru, está sem registrar nenhum crime violento letal intecional (CVLI) há 365 dias. A polícia acredita que esse resultado é fruto do aumento da segurança no município e na resolução de conflitos.

Fonte:NE10 INTERIOR 

FERNANDO CUNHA – 12/05/2016

Excelente artigo, já tive a experiência de resolver problemas longe dos olhos e após articulação ter uma solução boa,viável e rentável.

A solução para salvar sua empresa pode estar bem longe dos seus olhos

Se alguém lhe dissesse que a melhoria na formação de professores poderia ajudar a diminuir a taxa de mortalidade infantil de um país, você acreditaria nessa possibilidade? A informação parece não fazer sentido, mas a realidade é que os dois problemas já estiveram totalmente conectados nos Estados Unidos – e essa descoberta fez com que a taxa fosse reduzida enquanto Paul O'Neill atuou no governo daquele país, na década de 1960. Se em um primeiro momento isso também não parece fazer sentido em uma coluna de economia, a explicação é simples: a intenção é mostrar como é importante trabalhar na identificação da origem dos problemas da sua empresa, especialmente em momentos de recessão econômica. 

 

O exemplo do que aconteceu na gestão de Paul O'Neill enquanto ele fez parte da equipe do governo americano é descrito no livro "O Poder do Hábito", de Charles Duhigg. Na verdade, por mais que pareça estranho, a má formação dos professores era a origem da alta taxa de mortalidade infantil nos Estados Unidos naquela época. Atacar a fonte do problema foi a solução que possibilitou uma melhoria significativa nos números. 

 

Conforme o livro relata, O'Neill ficou encarregado de investigar porque a taxa de mortalidade infantil nos Estados Unidos estava maior do que na Europa e alguns países da América do Sul. O problema era ainda mais grave em regiões rurais do país. Sua estratégia para identificar a raiz do problema foi insistir em fazer novas perguntas sempre que alguém lhe indicava alguma resposta. 

 

Durante o período de investigação, descobriu pesquisas que indicavam que a principal causa das mortes era o nascimento de prematuros. Em seguida, percebeu que os nascimentos precoces aconteciam porque as mães estavam desnutridas. 

 

Sendo assim, seria preciso melhorar a dieta das mães antes mesmo delas engravidarem. Isso significava implementar programas de nutrição no ensino médio, para garantir que os bons hábitos de alimentação fossem incorporados antes delas se tornarem sexualmente ativas. Na implementação desta fase, O'Neill descobriu que os professores não tinham uma boa base de conhecimentos sobre biologia para instruir os estudantes, ou seja, investiu em melhorar essa formação. 

 

De acordo com o livro, o índice de mortalidade infantil nos Estados Unidos, hoje, é 68% menor em relação ao período em que O'Neill assumiu. Seu método de trabalho também ficou notoriamente conhecido dentro da Alcoa, quando assumiu a gestão no fim da década de 1980. Sua estratégia para fazer crescer a gigante de alumínio foi reformular e melhorar completamente os padrões de segurança do trabalho dentro da empresa. Melhorias sistemáticas, como reduzir o número de acidentes com funcionários que se queimavam com metal derretido, fizeram com que a empresa reformulasse o sistema de distribuição do metal, o que preservou a integridade física dos funcionários e reduziu o desperdício de matéria-prima. 

 

Ligar os fatos até a origem de um problema e adotar medidas para atacá-los pela raiz são estratégias que promovem efeitos positivos em cadeia. Esses problemas são chamados de hábitos angulares, ou seja, que podem influenciar uma série de eventos. 

 

Se você tem problemas em sua cadeia de produção, não adianta focar em medidas paliativas. Talvez a origem dos resultados ruins nas vendas esteja em problemas sobre os quais você ainda não faz a menor ideia. A solução é a persistência para investigar o que está acontecendo, para que você saiba exatamente onde agir e trazer soluções definitivas. Não tenha medo de questionar, traçar hipóteses, ouvir sua equipe e seu público. Além disso, tenha paciência para investigar os problemas. As respostas podem demorar a aparecer, mas uma vez que você é capaz de mudar um hábito angular, os bons resultados também tendem a permanecer por longo prazo.

Fonte:G1;Blog Samy Dana.

Fernando Cunha – 10/05/2016

O QUE A CIDADE TEM E NÃO DESEJA:

DROGAS

LIXO

DESEMPREGO

SAÚDE PRECÁRIA

INSEGURANÇA

VIOLÊNCIA

VELHAS PRÁTICAS

 

O QUE A CIDADE NÃO TEM E DESEJA

EMPREGOS

NOVAS EMPRESAS

SAÚDE MELHOR

UMA FACULDADE 

OBRAS ESTRUTURADORAS

UMA INDÚSTRIA

UM PÓLO EMPRESARIAL

POLÍTICA CULTURAL

TURISMO

POLÍTICA PARA JOVENS

MOBILIDADE URBANA

SANEAMENTO AMPLO

 

 

O QUE A CIDADE PRECISA E NÃO TEM:

ESPAÇOS DE LAZER

POLÍTICA AMBIENTAL

POLÍTICA CULTURAL ABRANGENTE

CALENDÁRIO ESTRUTURADO DE EVENTOS

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO

UMA INDÚSTRIA

UM PROJETO ESTRUTURADOR

NOVAS LIDERANÇAS

POLÍTICA PARA O PÚBLICO LGTBS E MINORIAS

VALORIZAÇÃO DO ESPORTE 

TRANSPARÊNCIA

ARTICULAÇÃO 

PROFISSIONALIZAÇÃO

 

ENTÃO, VAMOS DECIDIR O QUÊ NA ELEIÇÃO? PRECISAMOS OLHAR PRO FUTURO.

FERNANDO CUNHA  – 08/07/2016

  

Ônibus Conde da Boa Vista – Olinda, às 21:30, estava eu em pé vindo da Faculdade, e ele sobe no Carmo – Olinda;  aquele característico sorriso largo, olhos grandes, elétrico e falante.

Fernandinho, quando tempo?

Chiquinho, quanto tempo; estais por onde? fazendo o quê cara?

Eu tô com uma banda! e trabalho no serpro.

E tú?  tô trabalhando no Bandepe e fazendo faculdade de matemática.

Porra, é muita conta! é muito cálculo doido. Eu moro ainda na segunda etapa; Eu tô na 3 etapa, perto do terminal, na Rua do Abacate.

Esta conversa foi Eu e Francisco de Assis França no idos de 1986

 

Parabéns a todas as mães neste dia; escolhi esta matéria porque representa um amor incondicional esta atitude.

'Foi amor à primeira vista', diz dona de casa ao adotar bebê com microcefalia

O fato de Maria Vitória ter a malformação cerebral não impediu a adoção.
'Não tem papel melhor do que este: ser mãe', diz Kely, a mãe da menina.

Em Pernambuco, existem 339 mães de bebês com microcefalia. Os filhos delas nasceram com a malformação do cérebro, mas, para algumas mulheres, ser mãe de uma criança especial foi uma opção. É o caso da dona de casa Kely Romoaldo, que procurava uma criança para adotar há mais de um ano. Ao conhecer Maria Vitória, no fim de abril, sabia que ela seria sua para sempre. 

“Quando vi Maria Vitória, eu disse: ‘É ela, minha filha. Vou adotar ela. Foi à primeira vista, certeza absoluta. Eu disse: ‘É ela’. Isso é amor de mãe, não tem nem o que explicar”, relembra. A bebê, de 7 meses, conheceu o abandono logo ao nascer: foi deixada na maternidade e passou por dois abrigos. Mas a história da menina começou a mudar quando Kely colocou os olhos nela.

 


A maratona pelos centros de referência pra estimular o desenvolvimento da Maria Vitória não para. Duas vezes por semana, ela leva a filha para fazer uma série de terapias. Mas Kely não reclama nem se cansa. “Já me adaptei, vai ser por muito tempo, até ela se recuperar”, diz a dona de casa. Ser a mãe da Maria Vitória é o grande presente para Kely. O mais difícil até agora são as convulsões: mãe e filha sofrem juntas quando aquelas acontecem. “Aí eu canto para ela, aperto ela no meu braço, converso até passar, aí vai passando”, diz Kely.

Em casa, a família está completa. Kely tem um filho de 14 anos de um relacionamento anterior e o marido dela, Josimar Pereira, tem três filhos adultos e oito netos do primeiro casamento. “A gente queria uma criança e não pensava que fosse como ela. E Deus mandou a Vitória, e a gente se apaixonou”, conta o pai.

A dona de casa Kely Romão adotou Maria Vitória, bebê de 7 meses que nasceu com microcefalia (Foto: Reprodução/TV Globo)A dona de casa Kely Romão enche de carinhos Maria Vitória, bebê de 7 meses que nasceu com microcefalia e foi adotada por ela (Foto: Reprodução/TV Globo)

Maria Vitória garantiu um lugar no coração do casal e deu um novo significado para a vida dos dois. “De manhã, eu acordo e faço: ‘Cadê a florzinha da mamãe?’. Ela olha para mim e fica rindo. Aí eu não sei se choro, se converso, se pego ela. Todo dia é assim a vida da gente”, se emociona Kely. “Não tem papel melhor do que este: ser mãe”, complementa.

Fonte; G1

Fernando Cunha – 08/05/2016

Gato de 10kg faz família inteira refém até chegada da polícia, publicado por O Viral, às 17:03

Eu tenho medo de gatos, digo logo!

Já dizia um amigo meu: “Um dia o mundo será dominado pelos gatos”. Parece que esse dia está cada vez mais próximo.

Um felino chamado Lux envolveu-se um incidente, no mínimo, estranho. Tudo começou quando o membro mais jovem da família Palmer, um bebê de 7 meses, puxou o rabo do gato de estimação, que devolveu a “delicadeza” arranhando a criança no rosto. Lee Palmer, o pai do bebê, chutou o animal na mesma hora para longe do filho.

Foi aí que o pesadelo começou. O gato himalaio, de cerca de 10kg, virou uma “onça” e resolveu atacar todo mundo. A família, morrendo de medo, trancou-se no quarto, inclusive com o cachorro(que belo cachorro, hein!)! Do outro lado da porta o demônio felino animal aguardava a oportunidade para atacar.

Assustados e sem poder sair do quarto, a família resolveu ligar para a polícia (WTF!!!!). Na ligação, Lee disse: “Ele nos encurralou, estamos presos aqui”. Segundo a polícia, era possível ouvir o barulho do gato batendo na porta.

Ao informar a família que a viatura estava a caminho, Palmer ainda recomendou ao oficial: “Diga ao policial para ser cuidadoso”. A polícia conseguiu capturar o animal, que foi devolvido à família. Eles ainda não sabem se vão permanecer com ele.

Alguém se habilita para adotar o animal? Eu mesmo não!

E você aí preocupado com um apocalipse zumbi. Vai ser um apocalipse felino, meu amigo!

Sobre este gato, eu tenho apenas um recado para ele:

sua_reserva

Com informações do Los Angeles Times.

 

Fonte; G! JC – O viral 

Fernando Cunha – 06/05/2016

INVESTIR EM EDUCAÇÃO É A MELHOR MANEIRA DE TRANSFORMAR O MUNDO 

Fonte: Santander Brasil 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A gerente geral Mônica Lukasevicios e o cliente universitário Guilherme Rodrigues, na Agência USP, em São Paulo (SP). Foto: Pisco Del Gaiso

O Dia da Educação é celebrado no mundo todo em 28 de abril. Ele marca a ocasião em que os 180 países participantes da Cúpula Mundial de Educação, em Dakar, no Senegal, assinaram no ano 2000 o acordo de que não mediriam esforços para levar o ensino a todo o planeta.

Assim como os líderes globais, a iniciativa privada tem buscado transformar ativa e positivamente o mundo. Há 20 anos, o Santander colocou entre as suas prioridades o investimento na educação, pois acredita que essa é a melhor maneira de garantir oportunidades para todos. Esse posicionamento se tornou um compromisso recorrente e de longo prazo como um dos principais eixos de responsabilidade social corporativa do Banco.

Desde 1996, o Santander Universidades se firma como o maior programa empresarial de incentivo ao ensino superior. Desde a sua criação, já foram mais de R$ 4 bilhões investidos em todo o mundo, com mais de 200 mil bolsas de estudos concedidas nos 20 países onde estamos presentes. No Brasil, foram R$ 11 milhões – sendo R$ 2 milhões só no ano passado. Esse recurso é investido com base em quatro pilares estratégicos: internacionalização, ciência e inovação e empreendedorismo, transferência tecnológica e apoios a projetos universitários.

“A educação é essencial para o desenvolvimento de sociedades livres, criativas e justas. Assim, apoiar a inovação, ciência e pesquisa contribui para a descoberta de soluções para os principais problemas da humanidade”, destaca a presidenta mundial do Grupo Santander, Ana Botín, no mais recente Relatório de Sustentabilidade do Grupo.

O doutorando em Engenharia Mecânica na Unesp de Guaratinguetá (SP),Júlio Oliveto Alves, é um exemplo disso. Ele foi um dos vencedores dos Prêmios Santander Universidades em 2014. O engenheiro mecatrônico desenvolveu o Kit Livre, equipamento de baixo custo que facilita a mobilidade de pessoas com deficiência de locomoção e que sofrem com as más condições de ruas e calçadas por todo o país. A população cadeirante brasileira é estimada em 3,7 milhões de pessoas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Nosso diferencial é o grande impacto social que proporcionamos, pelas soluções inovadoras que oferecemos para garantir melhor qualidade de vida, acessibilidade e mobilidade para as pessoas com deficiência”, afirma Alves. O recurso financeiro conquistado com a premiação foi destinado para a produção, venda e divulgação dos equipamentos.

“Essa é uma atuação exclusiva e com um modelo único de aproximação com as universidades, seus líderes e seu público discente”, explica a gestora de Convênios Comerciais e Projetos Especiais do Santander Universidades, Andréa Moraes Ribeiro Farias.

Os resultados dos Programas são acompanhados por meio de cases produzidos após o período dos cursos e interações com as coordenações e reitorias das universidades. “Percebemos que a contribuição do Santander Universidades é relevante não só porque forma profissionais com conhecimento mais aprofundado, mas também promove a interação entre nações, a troca cultural e o crescimento mútuo”, conta Andréa.

COMPROMISSO COM A EDUCAÇÃO

Em 2016, o Santander Universidades prevê a concessão de mais de 3 mil bolsas de estudos e mobilidade para universitários matriculados em instituições acadêmicas brasileiras. Em todo o mundo, serão mais de 36 mil só neste ano.

Outra novidade é o Programa de Estágio Santander Universidades, que está oferecendo mil vagas em pequenas e médias empresas clientes do Santander Negócios e Empresas. Dessas, pelo menos 100 bolsas serão destinadas ao segmento de agronegócio.

As inscrições estão abertas até 15 de maio. O estágio tem duração de quatro meses e prevê uma bolsa de R$ 882,00. Podem se candidatar apenas os alunos de graduação de instituições de ensino superior que participam do Programa de Estágios do Santander.

Além dos programas universitários, no Brasil o Santander também realizaações de Investimento Social para a melhoria da qualidade da educação pública, em iniciativas como o Programa Escola Brasil (PEB) e o Programa Educação Infantil, além de ações de Investimento Cultural que estimulam a criatividade, a transferência de conhecimento, o consumo consciente e o empreendedorismo.

O compromisso do Santander com a educação foi reconhecido em 2015 pelo relatório Business Backs Education, publicado pela Fundação Varkey em colaboração com a UNESCO. A publicação avaliou os investimentos em responsabilidade social das maiores empresas do mundo em considerou o Santander a companhia que mais investe em educação no mundo, especialmente na América Latina.
 
BOLSAS DE ESTUDOS

Fique atento! As inscrições estão abertas para os Programas Luso- Brasileiras (165 bolsas) e Ibero-americanas Graduação (900 bolsas). Confira os prazos:

• Luso-Brasileiras > Até 6 de maio de 2016
• Ibero-Americanas > Até 10 de junho de 2016

Fernando Cunha – 04/05/2016

 

Herança de Dilma deve ser exposta, defende Velloso

O especialista em contas públicas Raul Velloso não teria dúvidas em seguir a receita de dar a máxima transparência à herança negativa que a presidente Dilma Rousseff deverá legar ao provável governo de Michel Temer, com o objetivo de demonstrar à sociedade a precariedade da situação econômica do país. “Escancarar a herança” é o caminho que ele recomendaria ao próximo governo, seguindo a estratégia preconizada pelo economista Armínio Fraga, ainda na época em que o ex-presidente do Banco Central compunha a equipe do então candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves. 

A partir da visibilidade que seria conferida às condições econômicas em que o país se encontra, Velloso acredita que o virtual presidente Temer teria elementos suficientes para explicar à sociedade as medidas que pretende adotar e o tempo em que espera entregar melhores resultados na economia. O déficit de cerca de R$ 117 bilhões registrado nas contas públicas no ano passado e a perspectiva de que se apure neste ano um resultado negativo ainda maior, da ordem de R$ 120 bilhões, são dados mencionados por ele para se mensurar a dimensão do desajuste das contas públicas brasileiras. 

A deterioração das finanças estaduais, que tem no Rio de Janeiro o seu exemplo mais dramático, precisa ser esclarecida à opinião pública, segundo ele, para que se possa adotar soluções que assegurem a viabilidade do funcionamento dos governos estaduais. Nesse ponto, ao contrário de outros analistas, Velloso faz duras críticas ao comportamento da União diante dos entes federativos em apuros financeiros. No caso do governo federal, a saída colocada em prática para enfrentar os déficits fiscais foi simplesmente a de determinar que o Banco Central emitisse moeda para financiar os rombos. 

Como os estados não têm esse instrumento à mão, acabaram entregues “à própria sorte”, como ele definiu na conversa de hoje com o blog. A alternativa de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reivindicar a mudança da regra de juros compostos para simples, como fizeram os governadores, é encarada por ele muito mais como uma estratégia de induzir a União a se sentar na mesa de negociações. Afinal, eles não desconhecem que o método adequado é mesmo a cobrança de juros compostos, como é característico das operações financeiras. De qualquer maneira, o questionamento na suprema corte devolveu o assunto à esfera da negociação, como queriam os estados. 

Diante desse quadro, Velloso acredita que será inevitável ao provável governo Temer oferecer saídas aos governos estaduais para que possam respirar e manter seus compromissos financeiros, assim como a prestação de serviços aos cidadãos. O panorama atual terá que ser explicado em detalhes à sociedade para que seja possível legitimar a decisão de envolver novos recursos públicos nessa equação política e econômica. O mesmo terá que ser feito em relação às despesas adicionais geradas pela presidente Dilma Rousseff às vésperas da votação do pedido de impeachment pelo Senado Federal. 

O reajuste concedido aos beneficiários do programa Bolsa Família não poderá ser retirado por Temer, como deixa claro o especialista, mas caberá ao novo governo explicar as consequências para as contas públicas dessa e de outras decisões de última hora da presidente da República. Por fim, Velloso alinha-se aos que defendem a necessidade de implementar reformas estruturais no mandato de transição que caberá ao atual vice-presidente, o que inclui mudanças na Previdência e na própria gestão orçamentária. Negociar com bom senso resume a postura que o especialista defende para a próxima administração.

Fonte: G1 – Beth Cataldo

Fernando Cunha

A Câmara Municipal de São José do Egito é o local para debates e levar soluções para o dia dia da população.

Temos vereadores qualificados e responsáveis.

Discutir a violência em todoas as suas formas, que assola a Cidade e criar um fórum permanente de debates como " Conselho de Segurança da Cidade", formado por todos os segmentos da sociedade,sem viés político partidário,como era feito no Rotary, bastar convocar Antônio Filho e outros, e acredito que podemos ter bons resultados.

Espero que o Presidente da Câmara José Vicente seja sensível e aceite a proposta.

 

Fernando Cunha – Cidadão Egipiciense que sonha com uma Cidade Feliz.