Monthly Archives: janeiro 2016

 

Resultado de imagem para batmanResultado de imagem para fantasia mosquito da dengue

 

Com o objetivo de reviver antigos Carnavais de Rua, ajudando a manter a tradição e contrabalançando o predomínio dos grupos de axé-music da Bahia, um grupo de amigos, liderados pelo médico e hoje prefeito Romério Guimarães do pt, resolveram criar, em dezembro de 2005, o Club do Galo da Travessa. O nome surgiu porque O Galo deveria sair no sábado, sempre uma semana antes do Carnaval, a razão é que começou na travessa do Sheko’s Bar, um tradicional reduto da sociedade e pingunços de São José do Egito.

Seu primeiro desfile ocorreu no sábado, em fevereiro de 2006, às 5 horas da tarde. Reunindo 200 foliões fantasiados de máscaras,com roupas coloridas, o Galo desfilou apenas na rua do bar de Sheko’s.
 

De um pequeno grupo de foliões, o Galo da Travessa passou a arrastar hoje cerca de 10 mil de pessoas pelas ruas da cidade sendo, por isso, considerado,o maior bloco carnavalesco do Pajeú. O galo da Travessa é um bloco de mais de 10 anos de existência e foi criado por foliões.

O ano de 2016 é um ano atípico, pois tudo que for feito vai virá notícia, pelo simples fato de ser um ano político.

De um lado a oposição fazendo a sua parte, do outro a situação fazendo a sua. ambas na mesmice.

“O show deve continuar” por mais que possa parecer clichê, é uma verdade incontestável… mas também, o bom senso deva imperar neste tempos bicudos, pois a Cidade está passando por uma epidemia de dengue, hospital sem estrutura, falta de uma visão mais estratégica, a cultura deixado de lado, o patrimônio histórico sendo perdido. A Cidade carece de empregos, renda, saneamento, mas o ano é 2016 e…..

O ano de 2016 é difícil, mas de onde vem o patrocínio….. e a maniçoba entra….  o ano é 2016.

O poder pelo poder faz as pessoas não enxergarem um palmo…o ano é 2016

A oposição seria mais inteligente se juntando ao espírito de carnaval, lançando o bloco do Aedes Egypt, a Muriçoca do Repente, a Liga da Chicunha, e Deu Zica no Egito….o ano é 2016 e tudo é diferente..o resto é intriga

O Cavaleiro das Trevas reaparece e quem sabe se junta nesta gandaia..o resto é carnaval…é 2016.

O Galo atravessa a crise que assola todo o Brasil, de fazer inveja ao magos da Economia, sendo um exemplo de gestão financeira, com tudo em dia….claro a folia..é 2016

Fernando Cunha –  29/01/2016

Resultado de imagem para banco aztecaResultado de imagem para banco aztecaResultado de imagem para banco azteca

Foi assim: Ricardo Salinas, o terceiro homem mais rico do México, desembarcou no Recife no seu jato particular na companhia da mulher e do filho e se hospedou na maior suíte do Atlante Plaza com uma equipe de assessores. Veio para inaugurar as operações de seu Banco Azteca num evento que contou com ninguém menos que o Presidente Lula na última semana de março de 2008.

Salinas chegou vestido de camisa branca sem gola e chapéu e Panamá para conversas com Lula e Antônio Delfim Neto que o ajudara a legalizar seu banco no Brasil em tempo recorde. Delfim Neto virou uma espécie de consultor internacional do banqueiro dono de uma fortuna de U$ 4,5 bilhões segundo a Forbes. Na plateia um governador Eduardo Campos encantando com as perspectivas que Salinas via no Nordeste especialmente Pernambuco. Disse ao governador que mirava em 1.000 lojas no Brasil, a maior parte no Nordeste, especialmente em Pernambuco.

O cenário que Delfim Neto traçara para Salinas fazia sentido para o seu banco de varejo ocupar aqui. O Azteca se notabilizou no México por combinar um banco popular que empresta dinheiro na mesma loja que vende eletrodoméstico e recebe por semana. O confronto na ponta mostrou que Salinas não entendia nada do varejo brasileiro e achou que podia ocupar um espaço que os estudos indicavam existir no Nordeste lugar aonde ele decidiu fixar a sede da instituição.

Não calculou o nível de agressividade que todos os dias empresas como Magazine Luiza, Ricardo Eletro, Ponto Frio e gigantes como Carrefour e Wal-Mart travam para vender a linhas branca e marrom.

Ele abriu quase 20 lojas Elektra em bairros da periferia de Jaboatão dos Guararapes e municípios da RMR onde se podia tomar dinheiro emprestado. Mas o modelo de negócios (pagamento por semana) teve que ser mudado logo para mensal. Depois, acostumados no México a cobrar diretamente quem atrasa as prestações inclusive tomando os produtos, salina viu seus cobradores serem ameaçados de morte nos bairros da periferia quando eles foram lá cobrar a parcela vencida de moto. Teve que se render as mensagens no celular e no SPC-Serasa.

Mas o problema do Azteca e da Elektra era preço. O gigantismo das nossas redes de varejo e as condições de negociações são 10 ou 15 vezes maiores que os do mercado México. Os volumes fazem toda a diferença e a Elektra não disputava preço nem na periferia. Foi presa fácil das gigantes e até de redes regionais aqui em Pernambuco. Sem preço, o crediário do Banco Azteca não aguentava o negócio no Brasil.

Nesta sexta-feira o Banco Central do Brasil decretou, a liquidação do Banco Azteca do Brasil S.A., com sede na cidade do Recife, em decorrência do comprometimento da sua situação econômico-financeira, da violação das normas legais e regulamentares e da ocorrência de prejuízos, sujeitando os credores quirografários a risco anormal.

O sonho de ser um player virou miragem. O Azteca do Brasil é instituição financeira de pequeno porte, autorizada a operar as carteiras comercial e de crédito, financiamento e investimento. Possui apenas uma agência e detém 0,0005% dos ativos do sistema financeiro e 0,0009% dos depósitos.

Segundo Banco Central 68% do total dos depósitos do Banco Azteca do Brasil contam com garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) e o BC está tomando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades, nos termos de suas competências legais de supervisão do sistema financeiro.

No mercado se comenta que Salinas queira o que o BC jamais faria: Ter o direito de fechar seu banco e ir pagando os seus CDBs a medida que eles fossem vencendo. O BC disse não e exigiu que ele aportasse os R$ 17 milhões que estão descobertos. Ele se negou o BC mandou liquidar o Azteca.

E assim acabou sonho brasileiro de Ricardo Salinas que por isso agora não pode mais ter negócios no Brasil. Assim como perdeu sentido a fala de Lula na inauguração da primeira Elektra quando disse que não era é habitual no Brasil um presidente inaugurar uma loja ou um banco privado, mas que ficara entusiasmado ao saber da tentativa deles de criar uma nova cultura e reduzir as taxas de juros, disse o presidente em Jaboatão dos Guararapes.

Na verdade Lula perdeu a viagem. O Azteca não tinha taxas menores nem tinha nenhum diferencial. Simplesmente não tinha espaço nem no varejo nem no setor bancário brasileiro.

Fonte: JC negócios

Fernando Cunha – 26/01/2016

 

Vejam que conceito pode ser parcial e imparcial, depende do ângulo, e opinião é livre e vamos apenas fazer observações:

A prefeitura patrocina o blog do marcelo patriota,que patrocina o blog do júnior duarte,que trabalha no grupo fênix de comunicação, gilberto é aliado de romério,que é aliado de zé. A nota saiu depois que foi divulgado que o ex-prefeito evandro teve suas contas aprovadas, curioso não? 

Cabe algumas perguntinhas básicas:

Se na Cidade existem uma polarização, como pode dois candidatos do mesmo lado está liderando? só existem este cenário quando o prefeito tem em média 80% de aprovação e mesmo assim não é garantia de nada! e todos sabem que o atual sabe que os votos não é dele? se todo o governo foi de atropelos? e a notícia é dada como verdade absoluta? Com as condições atuais, o ex-prefeito ganha….façam suas apostas,pois alguém mim falou que o cenário não é esse, e é natural que quem está em campanha tenha esta avaliação…não se iluda, em Tuparetama a eleição foi ganha com rifa de bode e em Tabira com poesia.

 

Avaliação dos prefeitos

Na média, segundo o Ibope, a avaliação dos 5.570 prefeitos brasileiros é mais negativa do que positiva. Cerca de 40% dos eleitores entrevistados pelo instituto responderam que o prefeito de sua cidade é ruim/péssimo, 30% que é regular e 28% que é ótimo/bom. O Ibope constatou também que os candidatos mais conhecidos não serão necessariamente os vencedores, pois há no Brasil um grande desejo de mudança após a deflagração pela PF da Operação Lava Jato. Fonte:Blog Inaldo Sampaio.

Romério Guimarães e José Marcos dominam disputa em São José do Egito

 
Em São José do Egito a discussão sobre quem leva a eleição municipal gira em torno dos nomes do atual prefeito Romério Guimarães (PT), e o ex-deputado José Marcos (PR).
Resultado de imagem para evandro valadares
 
Apesar de ter conseguido uma importante vitória no Tribunal de Contas do Estado, que mudou o próprio parecer, e recomendou à aprovação das contas de 2012 de sua gestão, o ex-prefeito Evandro Valadares (PSB), fica a reboque da decisão do atual prefeito e do ex-deputado. Se marcharem juntos, Romério Guimarães e José Marcos são imbatíveis. Se dividirem o grupo, entregam de mão beijada a prefeitura ao PSB.
BLOG JR.DUARTE.
 
Fernando Cunha – 26/01/2016
Fotos: Internet,blog marcelo patriota,

O cenário de 2016/2017 não é animador, e acredito que a bolha dos consignados ainda vai complicar, principalmente dos aposentados com a corda no pescoço.

 

MERCADO

Banco Gerador entra em fase final de venda

Instituição pernambucana deixou de fazer empréstimos em 2014

Publicado em 23/01/2016, às 09h11

emidiafelipe@jc.com.br

 

Dalla Nora está a frente da transação / Priscila Buhr/Acervo JC Imagem

Dalla Nora está a frente da transação

Priscila Buhr/Acervo JC Imagem

O comprador é uma financeira do Sul do País, cujo nome ainda não pode ser revelado. Ela fica com a licença e o sistema do Gerador, com o que sobrou da carteira de empréstimos para micros, pequenos e médios empresários, além de consignados e da operação dos 50 mil cartões com a bandeira Banorte – marca que não foi vendida e fica com Paulo Della Nora, um dos sócios-fundadores e diretor executivo do Gerador.Auditores da Ernst & Young (EY) ocupam a maior sala de reunião do 7º andar do Empresarial Maurício de Nassau, na Ilha do Leite. O endereço é do Banco Gerador e esses profissionais fazem parte de um processo que começou em agosto de 2014: a “desconstrução” da instituição financeira pernambucana fundada em 2009 e que está sendo vendida, processo que será concluído até o fim deste semestre. Sem ele, o Nordeste deixa de ter empresas locais no setor bancário brasileiro.

A comercialização já está sendo acompanhada pelo Banco Central e dentro de 30 dias será assinado o contrato definitivo, que entrará em análise da autoridade monetária antes da conclusão do negócio. À frente da transação, Dalla Nora esclarece que desde o 2º semestre de 2014 o banco não faz novos empréstimos.

As operações foram cessadas quando os indícios de que o País caminhava para uma recessão se mostraram fortes demais para serem ignorados – um ambiente contrário ao que fez surgir a empresa (leia mais no texto abaixo). A carteira de crédito foi sendo negociada e o que não foi vendido entrou numa conta do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), até chegar o interessado que arrematou todo o conjunto.

 

“É lógico que ninguém gosta de perder dinheiro, mas não me arrependo

”Paulo Dalla Nora, sócio e diretor executivo do Banco Gerador

 

Com a negociação, os sócios do Gerador – os empresários pernambucanos Antonio Lavareda, Severino Mendonça, Paulo Sérgio Macedo e o próprio Dalla Nora (filho de Macedo) – saem com o prejuízo do capital de R$ 94 milhões investidos, mas sem perdas de compensações das carteiras, uma vez que o comprador assume quaisquer diferenças a serem repostas.

“É lógico que ninguém gosta de perder dinheiro, mas não me arrependo”, diz Dalla Nora, que contabilizou R$ 6 milhões de seu patrimônio pessoal investidos na criação do banco. Para ele, a decisão de começar esse processo ainda em 2014 foi acertada. “Se tivéssemos saído só agora, seria trágico”, avalia o empresário, que estima um prejuízo até 60% para os sócios caso a decisão tivesse sido protelada.

BALANÇO – Quando aceitou o convite para montar o banco ao lado do pai, Paulo Sérgio Macedo, e demais sócios, Dalla Nora tinha 33 anos e trabalhava no mercado financeiro da Suíça. Era 2007 e não só o mundo como o Brasil exalavam otimismo. Um cenário convidativo ao investimento e à volta para casa. Com a boa resistência do País à crise econômica mundial de 2008, combinada com o movimento de ascensão rápida do Nordeste e de Pernambuco, investir em um banco parecia a decisão mais acertada.

Autorizada a funcionar em 2009 e em operação plena em 2010, a empresa viu seu capital crescer via aportes outras três vezes e ampliou sua atuação com a compra da tradicional marca Banorte e com as unidades da Rede Matriz. Em 2012, já eram 80 lojas, principalmente em Pernambuco e Alagoas. Mas, no início de 2014, os reveses da política mostraram que uma decisão seria necessária. “Foi quando concluímos que se não tivéssemos uma mudança substancial no governo, sairíamos do negócio”, conta.

 

Capital começou com R$ 20 milhões e foi aumentado três vezes, até atingir R$ 94 milhões

 

Contudo, ao analisar os motivos que levaram o Gerador a se contrair, o empresário cita dois pontos em especial: um encantamento com o boom econômico do Brasil e de Pernambuco e o excesso de confiança no consignado. “Tivemos uma ilusão de percepção, com um superotimismo de que o ciclo de 2009-2010 era sustentável”, comenta. Sobre o consignado, que representava 70% das operações, a crença era que os bancos grandes demorariam a ter sucesso nesse mercado. No entanto, eles foram mais rápidos e agressivos, comprando bancos menores que atuavam na área. “Mas todas as decisões que tomamos foram considerando as informações que tínhamos na época e fizemos o possível para decidir o que era melhor para a empresa”, assegura.

Quando faz um balanço das experiências, Dalla Nora reforça que não guarda arrependimentos. “A única coisa que teria feito diferente é em relação ao volume de investimento. Fui com mais de 80% da minha liquidez e deveria ter feito até 50%. Foi um aprendizado”, conta o empresário.

Agora, além da venda do Gerador, Dalla Nora trabalha com a FIR Capital para trazer para Pernambuco um Centro de Suíço de Eletrônica e Microssistemas (Csem). E, em São Paulo, finaliza um projeto em parceria com um grande banco para acelerar negócios sociais. Quanto à marca Banorte, ela deve voltar, só não se sabe quando. “É uma marca importante para o Estado, que tem um peso afetivo. Ainda estamos avaliando o que vamos fazer, mas por ora ela fica ativa com os cartões que continuam em operação”.

SEM COMENTÁRIO…….

Vereador do Recife distribui ingressos comprados pela Universal de filme Os Dez Mandamentos

 

                            Vereador Alfredo Santana. Foto: Divulgação
                                   Vereador Alfredo Santana. Foto: Reprodução do Facebook
 
Coluna Pinga Fogo
Após a “misteriosa” compra antecipada por único homem –supostamente por um preposto da Igreja Universal (IURD) de mais de 22 mil ingressos do filme Os Dez Mandamentos, as entradas já começaram a ser distribuídas gratuitamente, a rodo. O vereador do Recife Alfredo Santana, que é do PRB, sigla evangélica vinculada à IURD, já começou a dar ingressos, aos pares, até mesmo a quem não pediu. O vereador, inclusive, já circulou publicamente divulgando o filme, como no evento Agente da Comunidade, na foto acima.
Para quem não entendeu muito bem a questão, Os Dez Mandamentos é um filme baseado em uma novela homônima da Rede Record, emissora ligada à Igreja Universal. A questão é que a igreja está despejando rios de dinheiro no filme, comprando ingressos, e incentivando os fiéis a adquirirem entradas de forma antecipada.
De todas as perguntas que ficam no ar sobre a história, a mais singela é: pode, em ano eleitoral, um vereador distribuir gratuitamente ingressos de cinema? Por muito menos é possível se caracterizar abuso de poder econômico e/ou campanha antecipada.
 Fonte:Giovanni Sandes
Fernando Cunha – 20/01/2016

 

Resultado de imagem para pão com ovo

 

Lendo e analisando estas informações em blogs, que nesta época se proliferam mais rápido que a dengue,visto que são verdadeiros balões de ensaio, até a definição em Abril, vamos entrar nesta vibe.

1 – Qual é a oposição em São José do Egito? Existe?

2 – Zé só decide eleição no segundo tempo da prorrogação! lembrando que o atual depende 90% dele(isto não é intriga, é pesquisa mesmo).

2 – A função em 2016 está invertida: em 2012 o maior cabo eleitoral era o ex-prefeito, agora o melhor cabo eleitoral é o atual

3 – Zé e Kaio são aliados do Governador, será que o atual prefeito não estaria fazendo uma transição para sobrevivência política? tudo pode em política.

4 – Depois da Festa de Reis, onde não faltou recursos,mesmo a Cultura sendo relegada, imagina na eleição! 

 

Petista animado em São José – Em São José do Egito já se fala que o prefeito Romério Guimarães (PT) só não emplacará a reeleição se a oposição se unir. No cenário atual, o adversário mais forte do petista é o ex-prefeito Evandro Valadares (PSB), que não teria chances de abrir um entendimento com o ex-deputado e pré-candidato pelo PR, José Marcos. Nas eleições passadas, Marcos se aliou ao PT para derrotar o candidato apoiado por Valadares, mas logo em seguida rompeu com Guimarães. Fonte: Blog do Magno

 

Mesmo com desgaste político, PT pode ter bom desempenho em municípios do interior

PUBLICADO EM 18/01/2016 ÀS 11:10 POR  EM NOTÍCIAS

 

Analistas políticos apontam que candidatos do partido podem ter bom desempenho, mas será necessário desvincular campanha ao nome do partido
Foto: Divulgação

Por Marcela Balbino, do Jornal do Commercio

Apesar do desgaste político que o Partido dos Trabalhadores vem enfrentando na esfera nacional, pesquisas de opinião pontuam que, paradoxalmente, o partido pode sair-se bem nas eleições municipais em cidades de pequeno porte. A condição, no entanto, é que os candidatos coloquem debaixo do tapete uma das principais marcas do partido: a estrela. A análise é simples. Os candidatos terão que se cacifar por méritos próprios sem precisar da muleta partidária, que outrora era o combustível para alçar novos nomes.

O desgaste da sigla com os desdobramentos das investigações da Operação Lava Jato e a fragmentação da base aliada da presidente Dilma dão a tônica que estender a bandeira vermelha pode não ser o melhor caminho. “Isso em cidades de 40 ou 60 mil eleitores, se for vincular o nome ao PT, o negócio não fica bom”, observa o analista político Maurício Romão.

Outro ponto a ser levado em consideração nas projeções é o principal legado do partido, as ações de transferência de renda, que estão sendo rapidamente corroídas pela situação econômica e pelo aumento dos índices de desemprego. “Então, os candidatos do PT que forem às ruas propagando o legado vão ter dificuldade de justificar”, diz. Nas capitais, no entanto, o peso das siglas deve predominar.

REFLEXO

Segundo o especialista em marketing político Carlos Manhanelli, esta é a segunda vez na história recente da política brasileira que o desgate de um partido no âmbito nacional reverbera nas eleições locais. Ele relembra que, nas eleições majoritárias de 1974, o MDB (atual PMDB) passou a crescer eleitoralmente diante da crise econômica que corroía a base social de apoio aos militares. “O MDB mostrou as mazelas da ditadura e elegeu 23 governadores”, diz.

Em 2016, no entanto, a rejeição à sigla petista é crescente. Segundo ele, as pesquisas vêm apontando que a vinculação ao partido dos trabalhadores pode tirar ponto dos candidatos. – Blog do Jamildo jc/ne10

Dilma faz mais uma vítima – A crise nacional, herança dos governos Lula e Dilma, fez, ontem, mais uma vítima do PT: o governador de Minas, Fernando Pimentel. Em tom choroso e de profundo abatimento comunicou que, a partir do mês que vez, o salário dos servidores não será mais depositado integralmente, mas parcelado em três parcelas, como já ocorre hoje no Rio e no Rio Grande do Sul. (Blog do Magno)

Fernando Cunha – 18/01/2016

 

 

 

Da Agência Brasil 

Primeira grande epidemia de zika no mundo acontece no Brasil, diz infectologista

 

13 de janeiro de 2016 | postado por Cinthya Leite

Um dos mais respeitados infectologistas do País, o professor e ex-diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, acredita que o Brasil vive atualmente a maior epidemia já registrada no mundo por vírus zika.

Leia também:

>> Em cinco meses, Pernambuco notifica 1.236 bebês com suspeita de microcefalia

>> Dengue, chicungunha e zika: Recife registra mais de 24 mil casos prováveis em 2015

>> Recife identifica bairros com transmissão ativa de dengue, chicungunha e zika

Em entrevista ao programa Espaço Público, na TV Brasil, o especialista defendeu o combate sistemático ao mosquito Aedes aegypti, transmissor não apenas do vírus zika, mas também da dengue e da chicungunha. Para ele, as prefeituras brasileiras erraram ao não manterem um grupo técnico permanente de controle do vetor.

Boulos lembrou que a infecção por zika, até então, era considerada uma doença mais branda que a própria dengue, já que causa febre baixa, manchas pelo corpo que desaparecem em dois ou três dias e quadros clínicos menos graves, que dificilmente levam à morte. Foi a correlação da doença com casos de microcefalia em bebês que levantou a bandeira vermelha.

O infectologista destacou que, em todos os locais onde foi registrado surto do vírus zika, como na Polinésia Francesa e em algumas pequenas cidades da África, o cenário não se repetiu posteriormente. “Se isso acontecer, até que não vai ser tão ruim assim. Vamos passar por um momento epidêmico importante e, depois, é provável que exista uma calmaria.”

Conhecimento

“Precisamos conhecer melhor o zika para saber no que ele pode se transformar. Estamos assustados com os para-efeitos, as coisas que estão acontecendo por causa do zika”, disse. “É preocupante as pessoas quererem engravidar sabendo que, se houver zika, podem, eventualmente, ter uma criança com problemas e isso vai atrapalhar a vida e o desenvolvimento dessa família.”

Um novo balanço divulgado ontem (12) pelo Ministério da Saúde revela que 3.530 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao vírus zika em recém-nascidos foram notificados no País entre 22 de outubro de 2015 e 9 de janeiro. O boletim também traz a confirmação de que a morte de dois recém-nascidos e dois abortos de bebês com a malformação no Rio Grande do Norte foram em decorrência da microcefalia.

As notificações da malformação estão distribuídas em 724 municípios de 21 unidades da federação. O Estado de Pernambuco, primeiro a identificar aumento de microcefalia, continua com o maior número de casos suspeitos (1.236), o que representa 35% do total registrado em todo o País. Em seguida, estão Paraíba (569), Bahia (450), Ceará (192), Rio Grande do Norte (181), Sergipe (155), Alagoas (149), Mato Grosso (129) e Rio de Janeiro (122).

O Ministério da Saúde só tem divulgado o número de casos em que há suspeita de que o recém-nascido tem microcefalia relacionada ao vírus zika. Os bebês têm o quadro confirmado ou descartado depois que passam por exames neurológicos e de imagem, como a ultrassonografia transfontanela e a tomografia.

O governo investiga ainda se a morte de outros 46 bebês com microcefalia na região Nordeste também tem relação com o zika. O vírus começou a circular no Brasil em 2014, mas só teve os primeiros registros feitos pelo ministério em maio de 2015.

 
Fonte: NE10 13/10/2016
 

Fernando Cunha

Resultado de imagem para caveira

 

São Paulo

Casal é flagrado fazendo sexo em necrotério de hospital

Publicado em 06/01/2016, às 16h01 | Atualizado em 06/01/2016, às 16h06

Do Estadão Conteúdo

 

Homem e a mulher, encontrados nus em atividade sexual, seriam funcionários de uma empresa terceirizada / Foto: reprodução

Homem e a mulher, encontrados nus em atividade sexual, seriam funcionários de uma empresa terceirizadaFoto: reprodução

Um casal foi flagrado tendo relações sexuais em uma maca do necrotério do Hospital Regional de Sorocaba, o maior hospital público da região. O flagra foi dado por uma funcionária quando levava o corpo de um bebê para o necrotério, que funciona no subsolo do hospital. Ela denunciou o caso à diretoria do Conjunto Hospitalar de Sorocaba, responsável pela unidade. 

 

O caso ocorreu no dia 27 de dezembro último, mas só nesta quarta-feira, 6, com a repercussão do episódio, a diretoria abriu uma apuração preliminar. De acordo com os comentários, o homem e a mulher encontrados nus em atividade sexual, seriam funcionários de uma empresa terceirizada e trabalham na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. Quando o fato ocorreu, havia corpos no necrotério à espera de encaminhamento para o Instituto Médico Legal (IML).

Em nota, a Secretaria da Saúde do Estado informou que a diretoria do Conjunto Hospitalar de Sorocaba recebeu a denúncia sobre o caso e abriu uma apuração preliminar para identificar os supostos funcionários que estariam envolvidos. Se o fato for confirmado, serão tomadas as providências cabíveis.

ESCÂNDALO – O Conjunto Hospitalar de Sorocaba recebe pacientes de 48 cidades da região. Em 2011, o Regional esteve envolvido num escândalo, quando membros da diretoria e do corpo clínico foram presos na Operação Hipócrates, da Polícia Civil e do Ministério Público, acusados de fraudar contratos, licitações e o pagamento de plantões médicos. Na ocasião, o conjunto hospitalar sofreu intervenção do Estado.

Fonte: NE10 – 06/01/2015

 

SDS muda comandos de batalhões e companhias da PMPE

 

Para tentar reverter a situação vermelha na qual encontra-se o Pacto pela Vida, 19 comandos foram substituídos pela Polícia Militar na tarde dessa segunda-feira. A cerimônia aconteceu no Quartel do Comando Geral, no bairro do Derby, e contou com a presença de autoridades militares, que prestigiaram os novos Comandantes de Unidades Operacionais e Especializadas da PM, bem como setores administrativos da Corporação. Pernambuco fechou o ano de 2015 com uma quantidade de assassinatos maior que a de 2014. Embora os números oficiais ainda não tenham sido divulgados, o governo está preocupado com a situação.

Passagem dos comandos aconteceu ontem. Foto: SDS/Divulgação

Passagem dos comandos aconteceu ontem. Foto: SDS/Divulgação

Receberam novos comandantes as Unidades Especializadas de Apoio ao Turista – Ciatur, de Policiamento com Moto – CIPMoto, e de Policiamento com Cães, além do Batalhão de Polícia de Choque – BPChoque. As 1ª, 2ª, 3ª e 6ª Companhias Independentes da PM (CIPM), e os 6º, 7°, 8º, 12º, 13°, 18º, 19º e 24° Batalhões de Polícia Militar, também estão com novos comandantes.

De acordo com o secretário Defesa Social em exercício, Rodrigo Bastos, a passagem de comando deve ser encarada com naturalidade. “Cada gestor necessita colocar em prática suas idéias e, comandar uma Unidade de Polícia, seja ela Operacional ou Especializada, requer dedicação diária. Não podemos descansar nem parar  enquanto não conseguirmos retomar a redução da criminalidade. Cada comandante deve diagnosticar, planejar e controlar a tropa, para que possamos utilizar da melhor maneira os recursos humanos e materiais”, afirmou. E ressalta: “Conto com o apoio dos senhores para que possamos vencer a violência, e batalhar cada vez mais pela segurança dos pernambucanos”, disse.

Para o comandante geral da Polícia Militar, o coronel Carlos D’Alburquerque, é momento de recomeçar. “Nesse momento estamos encerrando um capítulo, e dando início a uma nova história. Agradeço o desempenho dos comandantes pela dedicação e observância. As passagens de comando surgem como uma adaptação aos novos cenários da realidade. Vamos focar na oportunidade de fazer o novo, diferente, e oferecer aos pernambucanos uma melhor qualidade de vida. E para isso serão realizados encontros para que sejam traçados metas e planos de segurança”, afirmou.

Fonte: DP – 05/01/2016

Fernando Cunha