Monthly Archives: outubro 2015

Impeachment, o Faroeste Caboclo de Cunha e Dilma

 

Publicado por Giovanni Sandes às 7:23

 

 

Eduardo Cunha - Gustavo Lima - Câmara dos Deputados - faroeste
Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados. Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

 

Existe uma enorme expectativa em Brasília sobre o que vai acontecer nesta terça (13). A movimentação do fim de semana e desta segunda (12) gerou um clima de duelo no Planalto.

De um lado, a presidente Dilma Rousseff (PT) sangra com o processo no Tribunal Superior Eleitoral, base política instável e uma reforma ministerial ainda sem resultado, fora a rejeição das contas 2014 no Tribunal de Contas da União (TCU), que escancarou o risco de impeachment.

Do outro lado vemos o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), atingido de forma grave pelas provas das contas na Suíça cuja existência tanto negou. Ele estaria sob risco até de pedido de prisão.

Na luta da sobrevivência, esta terça é o dia de sacar as armas. Cunha deve arquivar o pedido de impeachment protocolado pelo fundador do PT, Hélio Bicudo. Se for assim, a oposição, via recurso ao Plenário, fará o processo tramitar. Essa é a aposta de Cunha para não cair. Contra isso, Dilma criou uma equipe de políticos e advogados. E juntou seu núcleo duro, ontem.

Lembra a música Faroeste Caboclo, da banda brasiliense Legião Urbana. A história se dá em Brasília e fala do que levou ao duelo do personagem João de Santo Cristo e seu inimigo, Jeremias. Um repórter, inclusive, dá “notícia do duelo na TV, dizendo a hora o local e a razão.”

Não temos um Santo Cristo, o mocinho ferido pelas costas. Talvez os dois, Cunha e Dilma, se vejam assim.

Mas, como na música, a queda de um não impede que o outro caia também, no final.

 

CRISE AGENDADA PARA 2016?

A revelação feita pelo procurador do TCU, Júlio Marcelo de Oliveira, de que as pedaladas fiscais se mantiveram em 2015, pode dar ao pedido de impeachment um fato sobre o atual mandato. E aponta ainda o risco de rejeição das contas deste ano, quando o Tribunal fizer a análise em 2016. O relator, já foi escrito aqui, será o ministro José Múcio Monteiro, pernambucano.

 

Leia mais:

PRESIDENTE DA OAB PERNAMBUCO QUER QUE ORDEM NACIONAL PROTAGONIZE O IMPEACHMENT DE DILMA

HUMBERTO: TCU FOI POLITICAMENTE INDUZIDO A CONDENAR RESULTADO DAS ELEIÇÕES 2014

PT REPETE ERRO DO GOVERNO DILMA NO TCU E JÁ PEITA JUSTIÇA ELEITORAL

 EM MEIO A FOGO-CRUZADO, MINISTROS DO TCU FALAM EM “MISSÃO CUMPRIDA”

DILMA MOSTRA ARROGÂNCIA E INABILIDADE AO EMPAREDAR TCU

FERNANDO CUNHA 13/10/2015

LAVA-JATO

Em delação, Fernando Baiano diz que pagou despesas pessoais de filho de Lula

POR LAURO JARDIM

 

Fábio Luis Lula da Silva, filho do ex-presidente

 

 

Está destinada a causar um estrondoso tumulto a delação premiada de Fernando Baiano, cuja homologação foi feita pelo ministro Teori Zavascki na sexta-feira.

O operador (de parte) do PMDB na Petrobras pôs no olho do furacão nada menos do queFábio Luís Lula da Silvao Lulinha.

Baiano contou que pagou despesas pessoais do primogênito de Lula no valor de cerca de R$ 2 milhões. Ao contrário dos demais delatores, que foram soltos logo após a homologação das delações, Baiano ainda fica preso até 18 de novembro, quando completa um ano encarcerado. Voltará a morar em sua cobertura de 800 metros quadrados na Barra da Tijuca.

A propósito, quem teve acesso ao conteúdo da delação conta que Eduardo Cunha é, sim, citado por Baiano, que reconhece suas relações com o presidente da Câmara. Mas não entrega nada arrasador contra Cunha.

FONTE: G1 – COLUNA LAURO JARDIM

FERNANDO CUNHA – 11/10/2015

Marinaldo Rosendo

Nesta última quarta-feira, o deputado Marinaldo Rosendo (PSB-PE) apresentou projeto com o objetivo de beneficiar condutores autônomos de táxis e vans, motoristas em transporte urbano e rodoviário e também, caminhoneiros.

De acordo com deputado, o Projeto de Lei Complementar nº 177, de 2015, irá conceder aos trabalhadores que exercem tais atividades a aposentadoria especial aos vinte e cinco anos de contribuição, desde que atendidos os requisitos constantes da Lei que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social (Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991).

Segundo Marinaldo, a iniciativa seria justa porque as atividades laborais descritas no projeto estão entre as mais penosas da vida moderna. “Além dos riscos inerentes ao exercício dessas profissões, gerados pelo aumento da criminalidade e da violência do trânsito, os trabalhadores do setor são muitas vezes submetidos a jornadas de trabalho superiores a doze horas diárias”.

O deputado Marinaldo Rosendo diz que tomou a iniciativa de apresentar proposição legislativa que fosse capaz de reduzir o tempo de trabalho desses profissionais por meio da concessão de aposentadoria especial, principalmente, por causa do surgimento cada vez mais frequente de doenças crônicas, tanto de natureza física, como psicológica, provocadas pelas jornadas de trabalho extenuantes, somadas aos níveis de poluição ambiental e sonora a que se submetem durante a vida laboral.

O Projeto de Lei Complementar nº 177, de 2015, tramitará pelas comissões da Câmara dos Deputados e, após isso, deverá aguardar sua inclusão na pauta do Plenário. Concluída a tramitação na Câmara, o projeto percorrerá o mesmo caminho no Senado Federal. Após essa fase, o projeto seguirá para a sanção presidencial. Sancionado pela Presidente da República, o projeto, enfim, poderia se transformar em lei.

Fonte: blog  Jamldo – jc – 10/10/2015

Fernando Cunha – 11/10/2015

 

ÁGUA, UM BEM PRECIOSO QUE PRECISAMOS CUIDAR

Foto de Gilberto Lopes.

Gilberto Lopes

ANTIGA CAIXA D'ÁGUA

Caixa do primeiro sistema público de abastecimento d’água de São José do Egito, no Sertão de Pernambuco, implantado pelo Departamento Nacional de Endemias Rurais, órgão vinculado ao Ministério da Sade. Durante a inauguração, em dezembro de 1958, estiveram naquela cidade o governador de Pernambuco, Cordeiro de Farias, e o Ministro da Saúde, Mário Pinotti, entre outros. O sistema constava de uma adutora que levava água do Açude Jureminha até a caixa onde a água era tratada e dali canalizada para chafarizes instalados em vários pontos da cidade. Comparado com o sistema emergencial que atualmente abastece a cidade (composto de várias caixas instaladas nas ruas, onde a população apanha água com baldes e latas), até parece que o tempo não passa. É duro, mas é verdade. 
Texto de Marcos Cirano
Fotografia extraída da linda do tempo de MARCOS CIRANO

FONTE:RETRATO DO TEMPO – GILBERTO LOPES

 
 

FÉ E CONFIANÇA – 09/10/2015

O FACE VAI FICAR MAIS DIVERTIDO….NÃO PEGUE AR….EM SJE VAI FAZER SUCESSO…

08/10/2015 12h41 – Atualizado em 08/10/2015 13h25

Facebook cria 'Reactions', emojis que vão além do 'não curti'

Alternativas ao 'curti' são 'Love', 'Haha', 'Yay', 'Wow', 'Sad' e 'Angry'.
Espanha e Irlanda são os primeiros países a ter testes a partir desta sexta.

 
Os reactions do Facebook: Love, Haha, Yay, Wow,Os reactions do Facebook: Love, Haha, Yay, Wow, Sad e Angry; opções são alternativas ao botão curti (Foto: Reprodução/Facebook)
Sad e Angry; opções são alternativas ao botão curti
(Foto: Reprodução/Facebook)

O Facebook anunciou nesta quinta-feira (8) a criação do Reactions, uma extensão de seu botão "Curtir" para que os usuários da rede social expressem outro tipo de emoções como surpresa, aborrecimento ou tristeza.

Em inglês, os novos emoticons vão se chamar: "Love", "Haha", "Yay", "Wow", "Sad" e "Angry". Em português expressam "adorei", "engraçado", "feliz", "chocado", "triste" e "com raiva".

Os reactions estarão disponíveis a partir desta sexta-feira (9), em teste, começando por Espanha e República da Irlanda. Ainda não há previsão de chegada da novidade em todos os países. A novidade deve ser lançada em todo o mundo ao longo da próxima semana.

Emoticons
Para ter acesso a essas opções, o usuário terá que apertar e segurar o botão "Curtir" para que apareça um menu no qual surgem emoticons descritivos dessas emoções.

Facebook vai analisar o uso destas opções e as possíveis melhoras que pode implementar antes de seu lançamento mundial.

"Estivemos trabalhando para encontrar novas vias para que as pessoas se expressem no Facebook. O Reactions é uma extensão do botão 'Curtir' e procura oferecer novas maneiras de interagir com o conteúdo", explicou à agência EFE o responsável de produto da rede social Chris Tosswell.

Só para publicação, não para comentário
Estas novas opções estarão disponíveis só para interagir com uma publicação, não com seus comentários associados.

Há muito tempo existia a demanda por parte de alguns usuários do Facebook da necessidade de um botão "Não Curtir", já que consideravam que o "Curtir" é insuficiente para interagir com determinados conteúdos.

Há algumas semanas, o executivo-chefe da rede social, Mark Zuckerberg, anunciou que a companhia estava trabalhando em novas maneiras de se mostrar empatia.

"É importante dar às pessoas mais opções do que apenas o 'Curtir' para ajudá-las a expressar empatia", disse Zuckerberg, reconhecendo que "nem todos os momentos são bons".

FONTE: g1 – 07/10/2015

FERNANDO CUNHA

 

Dilma cai caprichosamente nas suas armadilhas

 

 

Josias de Souza

Dilma Rousseff envelheceu os métodos clássicos de fazer política. Criou um modelo próprio, baseado num tipo revolucionário de irresponsabilidade. Sua prioridade é a autodesconstrução. A estratégia é revelar as armadilhas que montou no primeiro mandato caindo em todas elas nesta segunda gestão.

 

Dilma deixa os governistas indignados e os oposicionistas perplexos. Por um lado, tornou-se uma caricatura que fugiu do controle do Lula. Por outro, faz questão de produzir as crises que podem asfixiá-la, dispensando seus antagonistas do trabalho. A história fará justiça a Dilma. Ela se tornou um fator de progresso. Revitaliza as instituições nacionais.

 

Na noite desta quarta-feira, Dilma refundou o Tribunal de Contas da União. FHC dera suas pedaladas. Lula também acionara os pedais. Mas foi Dilma quem desvendou o crime cometendo-o em proporções amazônicas. Preparou o terreno para que os auditores a flagrassem. Graças ao desejo inconsciente de Dilma de ser desmascarada, o TCU, antes um tribunal de faz de conta, teve sua noite de glória.

Em sessão apinhada, transmitida ao vivo, os ministros do TCU reprovaram por unanimidade as contas do governo Dilma referentes a 2014. Coisa semelhante não sucedia havia 78 anos. O último presidente a ter as contas rejeitadas fora Getúlio Vargas, em 1937. Orçado pelos auditores em R$ 106 bilhões, o desprezo de Dilma pelo rigor orçamentário fez renascer a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Na véspera, a inviabilidade de Dilma já havia prestado outro inestimável serviço à democracia brasileira ao arrancar da letargia o Tribunal Superior Eleitoral. Pela primeira vez na história, o TSE abriu um processo que tem como objetivo a cassação de uma chapa presidencial —a titular e o vice. Antes, os comitês fingiam prestar contas e a Justiça Eleitoral fazia de conta que auditava.

Com o auxílio luxuoso da dicotomia de Dilma, produziram-se em volume jamais visto as pistas que podem asfixiá-la. A roubalheira político-empresarial jamais será a mesma. No seu esforço secreto para ser desmascarada, Dilma percorreu distraída os dois lados do balcão. Na presidência do conselho da Petrobras, conviveu com as más companhias. No comitê eleitoral, beneficiou-se da verba suja.

Na economia, Dilma já havia se rendido ao programa do adversário. Joaquim Levy perambula por Brasília como uma espécie de denúncia ambulante do desmantelo fiscal e monetário que madame legou a si mesma.

Na política, a conversão de Leonardo Picciani em herói da resistência escancara o desejo de Dilma de se autoflagelar. Personagem complexa, ela luta para barrar o impeachment ao mesmo tempo que empurra seu governo para o beco-sem-saída. O grande acerto de Dilma é a revelação dos seus erros.

 

FÉ E CONFIANÇA

FONTE: BLOG DO MAGNO 07/10/2015

 

 

por Thais Herédia

O IPCA em 2003

O resultado do IPCA de setembro, apurado pelo IBGE, foi de uma alta de 0,54% – um forte repique em relação ao mês anterior e com reflexos claros do efeito da alta do dólar nos preços. Esse desempenho é comparável ao alcançado em 2003, primeiro ano do mandato do ex-presidente Lula. O país se recuperava de uma grave crise de confiança, impulsionada pelo medo da chegada do PT ao poder, o que poderia significar o abandono da política econômica baseada no sistema de metas para inflação, geração de superávits primários e câmbio flutuante.

A crise vivida em 2002 foi aguda e contagiou a economia nos primeiros meses do ano seguinte. Passado o medo e com o compromisso público de Lula de que manteria tudo como estava – e manteve mesmo – o país foi se restabelecendo, se aprumando e se preparando para o melhor período da economia brasileira e mundial em décadas. Vou abusar um pouco dos números para aumentar o escopo de comparação e de visão do quadro geral – não só da economia brasileira, mas também das expectativas e da situação internacional.

Antes de começar, é preciso dizer que aquela batalha era mais fácil e com final previsível para o positivo. E isso não é avaliação de “engenheiro de obra feita” – o caminho estava iluminado e era só uma questão de tempo.

Em janeiro de 2003 a meta de inflação foi ajustada pelo Banco Central para 8,5%, sem bandas de flutuação. Ela fechou em 9,3%. Por ter estourado os limites o BC foi obrigado, ao final daquele ano, a escrever uma carta aberta ao ministro da Fazenda (Antônio Palocci à época) com as explicações para o descumprimento e as estratégias para a retomada do controle dos preços. A carta explicou que 55% de toda inflação acumulada em 2003 se deu nos três primeiros meses do ano. A partir de então, o IPCA caiu com força. O que corroborava a avaliação de que o contágio vindo de 2002 se dissiparia rapidamente.

Diferenças do contexto geral
Em 2003, a política fiscal estava muito apertada, com forte controle sobre os gastos. Para você ter uma ideia, a meta de superávit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida pública) era de incríveis 4,5% do PIB – e foi mais do que cumprida. Mundo afora, tudo era festa. A China comprava o que estivesse disponível no mercado, os preços das commodities agrícolas subiam às alturas e os países ricos cresciam lindos e felizes. Uma diferença essencial entre lá e hoje: em 2003, o BC tinha o controle das expectativas, o que aumentava a eficácia de suas ações.

Tanto assim que, mesmo partindo de um momento extremamente negativo, as previsões para o crescimento da economia e até mesmo para a inflação do período eram bem positivas. Em 2003 o PIB caiu 0,5%. Em 2004, cresceu 5,2%. E o IPCA? Em 2004, caiu para 7,6%, dentro da meta daquele ano, que era de 5,5%, com bandas de 2,5 pontos percentuais, para cima e para baixo. Está vendo que, mesmo com ambiente mais promissor e um BC com credibilidade, é difícil reverter a trajetória da inflação? Se todo mundo acreditar que a seta apontada pelo governo vai dar no lugar certo, ela cai com mais força.

Na política, Lula tinha apoio até dos adversários. E agora?

Agora temos uma total inversão de cenário. Para começar falando das contas públicas, fechamos 2014 no vermelho e, não valendo milagre, vamos amargar o mesmo resultado este ano. A meta atual para o superávit primário (que foi abandonado nos últimos 3 anos) é de apenas 0,15% do PIB. As despesas do governo cresceram sistematicamente acima da economia nos últimos anos, consumindo competitividade. No caso da inflação, ela está perto de 9,50%, num país em recessão. A diferença essencial aqui: o controle de preços. O governo passou mais de 2 anos controlando preços de carros, produtos da linha branca, passagem de transporte urbano, energia elétrica, gasolina e também do dólar.

Na carta que terá que justificar suas falhas em 2015, Alexandre Tombini e os diretores do Banco Central terão desafio gigantesco para explicar porque diabos  foram coniventes com o controle de preços. Afinal, o IPCA de agora é consequência exatamente disso. Vai ter que explicar porque seus instrumentos perderam eficácia e credibilidade. Vai ter que explicar porque não consegue controlar as expectativas dos agentes econômicos.  E para falar do futuro? Vamos ter que esperar até início do ano que vem para saber o que estaremos enxergando naquele momento porque, hoje, está tudo nublado.

E na política, temos o governo mais reprovado da democracia e bombardeado pelo Congresso Nacional.

PS: A presidente Dilma Rousseff diz que já “vê luz no fim do túnel”. 

Fonte: G! – Thaís Herédia

Fé e Confiança

 

Resultado de imagem para conselho tutelarResultado de imagem para conselho tutelar

A ELEIÇÃO DO CONSELHO TUTELAR DE SÃO JOSÉ DO EGITO EM TERMOS DE BRIGA, SÓ PERDEU PARA O MMA, COMPARADO COM OUTRAS CIDADES, TIVEMOS UM PÚBLICO INFERIOR, ISTO MOSTRA QUE ESTAMOS DESENCANTADOS COM ESTA MESMICE;OS NOVOS NOMES SOFRERAM

VÁRIAS PESSOAS EXPRESSARAM SUAS OPINIÕES NAS REDES SOCIAIS:

O CANDIDATO DO GOVERNO TEVE APOIO DA MÁQUINA….SAÚDE FOI FORTE

CANDIDATO QUE NÃO TEVE APOIO DO PÚBLICO GOSPEL

GENTE QUERENDO QUEIMAR DIZENDO PARA NÃO VOTAR

FÉ E CONFIANÇA – 06/10/2015

 

É O MESMO QUE PREVIU AS VITÓRIAS DE ARMANDO,DELE MESMO E JOÃO PAULO NO RECIFE….NÃO EXISTE INOCENTES EM SÃO JOSÉ DO EGITO.

Aposta no crescimento– O líder do PT no Senado, Humberto Costa, acredita que o partido irá ampliar votação em 2016 no Estado em comparação aos resultados obtidos nas eleições municipais de 2012. Segundo o senador, a legenda terá cabeças de chapa em 20 cidades com chances de vitória. Desse total, em seis delas os atuais prefeitos disputam a reeleição: Jaqueira, Surubim, Vertente do Lério, São José de Egito, Custódia e Serra Talhada. “"A gente tem andado o Estado inteiro, conversado com lideranças, e o que a gente vê é uma perspectiva de crescimento para o partido”, observa.

Fonte: blog do Magno – 06/10/2015

Fé e Confiança

A ELEIÇÃO DE 2016 EM SÃO JOSÉ DO EGITO SERÁ UM CLÁSSICO DAS EMOÇÕES E VAI FICAR ASSIM:

tumblr_ma6937tKF01r2wtdzo1_500

FERNANDO CUNHA – FÉ E CONFIANÇA – 06.10.2015