Monthly Archives: maio 2015

PARTO NORMAL…EXEMPLO

 
 

 

il

Duquesa deixou a maternidade 10 horas após o parto/ AFP PHOTO / LEON NEAL

Duquesa deixou a maternidade 10 horas após o parto/ AFP/ LEON NEAL

O parto da duquesa Kate Middleton, que deu à luz sua filha, no dia 2 de maio, e dez horas depois deixou a maternidade, está sendo usado como exemplo pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC). A entidade defende o parto normal como regra e afirma que o Brasil deveria se espelhar no Sistema de Saúde Britânico.
“Trata-se de um sistema de saúde que realmente prioriza o parto vaginal e os cuidados por meio da Atenção Primária à Saúde. Hospital não é lugar de gente saudável. Se mãe e bebê estão bem após o parto, ficam mais seguros em casa do que no hospital. O modelo inglês poderia facilmente ser implantado no Brasil. Já temos, por exemplo, a recomendação de que a enfermeira da equipe de Saúde da Família visite a puérpera no máximo uma semana após o parto e os agentes comunitários de saúde fazem esta visita imediatamente após a chegada. Isso já é combinado durante o pré-natal”, explica o médico pernambucano Rodrigo Lima.

A citação de Lima, que é diretor de comunicação da SBMFC, está num informe divulgado pela entidade.
Segundo a SBMFC, “no Brasil a cesárea faz parte da cultura, e muitos ignoram que ela deve ser realizada não de forma agendada, mas apenas em casos específicos em que mãe ou filho correm riscos”. Para a entidade, a grande quantidade de cesarianas deve-se ao modelo médico-hospitalar vigente, que remunera melhor a intervenção cirúrgica do que o parto vaginal. Rodrigo Lima chama a atenção para a violência.

Fonte – NE10 – 10/05/2015 

Fernando Cunha – 10/05/2015

ONDE ESTÁ A LIBERDADE DE IR E DE VIR?

 

Pela ousadia de fazer uma simples pergunta, um jovem repórter de Tv, no exercício de sua profissão, foi agredido verbalmente por uma manifestante do grupo estelita.

O repórter perguntou sobre a reclamação dos moradores em relação ao acesso à rua, ovos jogados no prédio e a câmara de vigilância quebrada, no primeiro dia.

“Não vou lhe responder. Você é um escroto”, atacou a garota.

“Como toda imprensa que estava presente, me senti ofendido’, relata, pedindo que o nome não fosse divulgado. O Blog de Jamildo presta solidariedade ao rapaz. Ele retrucou, pedindo respeito, pois estava apenas trabalhando.

11209757_773220089452443_212601845721641639_n

As ações truculentas do grupo com a imprensa local acabaram gerando uma grande indignação no reportariado. Nesta manhã, cinegrafistas comentavam que o ideal seria que os chefes de reportagem se reunissem em decidissem não dar mais atenção ás pautas do grupo.

Há muitas outras histórias de agressão e tentativa de intimidação, que os profissionais evitam divulgar, para não serem discriminados no dia a dia. O patrulhamento na internet não tem limites.

Fonte: NE10

Fernando Cunha – 10.05.2015

Arco Metropolitano é vítima do ciclo político do atraso.

 

Dilma - Guga Matos

CONTRADIÇÃO Dilma anunciou ontem ideia de Eduardo ignorada por ela há anos: completar a rodovia federal com uma concessão. Foto: Guga Matos / JC Imagem

O discurso da presidente Dilma Rousseff (PT) desta terça (28), na Jeep, revelou o atraso político do Arco Metropolitano. Não está claro se o motivo foi ideológico ou partidário. Porém, Dilma apresentou como solução para a outra metade da obra exatamente aquilo que o ex-governador Eduardo Campos (PSB) propôs a ela para destravar o projeto em 2012: uma concessão na rodovia.

Pode parecer um tema econômico, porém é muito mais político do que soa. Por anos, o PT vilanizou as concessões. E por razões eleitoreiras privatização virou “crime” tucano.

Eduardo pensou em um pedágio estadual. Contudo, o projeto não se bancaria só. Exigiria um suporte dos cofres públicos, conceito básico das parcerias público-privadas (PPP). Então, em agosto de 2012 Eduardo foi à ministra do Planejamento na época, Miriam Belchior. É que o governo do PT afinal falava em um programa de concessões. Seria perfeito incluir nele o Arco. Eduardo, no entanto, ouviu que Dilma não faria um pedágio na área do Grande Recife.

Por coincidência, ao menos, ali começava a trajetória da candidatura presidencial de Eduardo. E em março de 2013 Dilma anunciou o Arco como obra pública, ao contrário do que pedia o governador. De lá para cá o projeto travou, a Jeep ficou pronta e o Grande Recife engarrafou. Ontem veio Dilma dizer: a solução do Arco, agora, é concessão.

A saída simboliza o atual vazio no caixa federal. E também que, se não foi intriga com Eduardo, Dilma não mudou: para ela, concessão boa é quando falta dinheiro público. Sem o governo acreditar de fato nessa alternativa, é questão de tempo até lá na frente o Brasil sair da crise e, contraditoriamente, viver um novo ciclo do atraso.

Fonte: NE10 – 01.05.2015

Vale a pena conferir………....

Filha de Chico Science e filho de Jorge du Peixe protagonizam novo clipe da Nação Zumbi

O video da música Um sonho conta a história de amor de Lula e Ramon

Publicado em 30/04/2015, às 08h44

 

 

Ramon Lira e Lula no clipe Um sonho / Pio Figueiroa/Divulgação

Ramon Lira e Lula no clipe Um sonho

Pio Figueiroa/Divulgação

Um caso de amor real que a gente às vezes só vê em filme ou em sonhos. A verdadeira história de Lula e Ramon, duas crianças que cresceram juntas, se separaram e voltaram a se encontrar e apaixonar graças às redes sociais. Este é o enredo do novo clipe da Nação Zumbi, que conta a história de amor de Louise Taynã, Lula, filha única de Chico Science, e Ramón Lira, filho de Jorge du Peixe, o amigo que sucedeu o mangueboy nos vocais da banda, depois que ele morreu num acidente de carro às vésperas do Carnaval.

O clipe de Um sonho entrou no Youtube na terça-feira. É dirigido pelo fotógrafo pernambucano Pio Figueiroa, que acompanha a Nação Zumbi desde o início como amigo dos músicos.

Fiel ao espírito da letra e da melodia, o clipe é uma viagem onírica de Lula, que mostra seus desejos, conflitos e até um pesadelo de uma briga com Ramon. Para que esse clima ficasse impregnado, Pio Figueiroa filmou com uma steadycam, que dá a sensação de deixar as imagens flutuar, e drones foram usados para fazer imagens aéreas dos devaneios de Lula. Ele recorreu também a imagens de um show da Nação Zumbi em São Paulo. “Uma balada de melodia certeira que nos leva a um passeio onírico pelo labirinto sonoro da Nação Zumbi”, diz Jorge Du Peixe, definindo a música Eu tive um sonho.

Fonte: NE10 – 01.05.2015

Fernando Cunha