Monthly Archives: abril 2014

 

Veículo:

CORREIO DA BAHIA

  Seção:

Capa

  Página:

008

  Tipo de Clipping:

Jornais/Revistas

 

Data Fonte:

10/04/2014  
 
Ajuda às distribuidoras de energia será de R$ 11 bi
Fechar
 

 

SHOPPINGS DE DESCONTO GANHAM ESPAÇO NO BRASIL

São Paulo – Para o diretor presidente do Iguatemi, Carlos Jereissati, 42 anos, 18 deles no varejo de alta renda, ficou mais difícil lançar shoppings, já que o setor cresceu muito. Mas, em sua avaliação, o Brasil agora está maduro para novos formatos – para shoppings de luxo, como o JK, os modelos mistos, com hotéis, e até para outlets, o mais recente investimento do grupo. "O Brasil tem uma cultura maior de comprar com vantagem", explica na entrevista a seguir. (AE)

As marcas internacionais continua interessadas no Brasil?

Sim. O Brasil é um mercado enorme, com uma classe média alta estimada em 12 milhões de pessoas. Somos a sexta economia domundo e temos uma presença global cada vezmais forte, o que faz com que as marcas queiram estar aqui. Inicialmente, olhavam apenas São
Paulo e Rio. Hoje, olham também para Brasília, Recife, Curitiba, o que demonstra a busca de
novos mercados.

Elas ganham dinheiro no Brasil ou o país é apenas uma vitrine?

Elas não se expandiriam aqui se não vissem uma oportunidade de crescer e ganhar dinheiro. A estratégia inicial, claro, é garantir a presença, para ter massa crítica, ganhar escala e,  depois, rentabilizar o negócio. Muitas já atingiram esse patamar e trabalham com políticas
de preços mais agressivas. Já existe o senso comum entre os brasileiros de que é melhor comprar uma marca renomada aqui do que lá fora. Paga-se 20% a mais, mas a compra é parcelada, por exemplo.

Mas o consumidor dessas marcas no Brasil viaja muito…

Sim, mas é preciso entender que o consumo não é racional. Eu não vou esperar seis meses
para comprar uma bolsa que vi aqui, com o risco de chegar lá fora e não encontrar. Tem o prazer imediato. E quanto maior a renda maior a compra por impulso. Quando colocamos na
ponta do lápis os 20% de imposto de importação, e várias outras taxas, vemos que o preço
já é bem competitivo. Além disso, tema barreira da língua, o relacionamento com o vendedor. Esse conjunto de coisas tornou o mercado interno mais interessante.

O JK Iguatemi já é o segundo shopping em receita de aluguéis para o grupo. Ele já atingiu o equilíbrio em vendas?

As pessoas esperavam mais um shopping, mas ele surpreendeu, com novas marcas,  serviço, eventos. Isso cria mais rapidamente uma clientela e traz um resultado de venda rápido. Estamos longe do ponto de equilíbrio, mas vamos continuar crescendo. Há praticamente uma cidade de quase 25 mil pessoas no entorno do shopping que vai começar a funcionar nos próximos três anos e consumir ali. Hoje, temos apenas a torre Santander.

Venderá mais que o Iguatemi?

O Iguatemi ainda é o grande campeão em vendas por metro quadrado, mas o JK já está em 60% da venda por metro quadrado, o que é um sucesso para um shopping tão recente.

O modelo do JK é único ou ele pode ser replicado?

É único porque o mercado de São Paulo é único. O nível de concentração de renda é muito
grande e a cidade é mais formal. No Rio seria outro formato, lá é outra pegada.

Para onde vocês pretendem crescer e que modelo de shopping devem levar?

Temos crescido com projetos de uso misto, com escritórios acoplados, hotéis… O modelo é
esse. As estratégias de crescimento são cinco: novos projetos, expansão dos projetos  existentes, projetos de uso misto em que ficamos com torres para renda, compra de participação em projetos nossos, além de compra e aquisição de outros ativos que tenham a ver com nossa plataforma. Somos bem vistos no mercado pela coerência dos nossos  projetos. Várias companhias sambaram de um lado para o outro, enquanto nós sempre tivemos um norte muito claro.

Como você avalia a competição da JHSF?

A competição é saudável. Somos muito fortes no mercado de shopping centers, crescemos e somos focados nisso. Cada companhia tem sua estratégia. A JHSF está focada em várias coisas. Acho que o mercado gosta quando você entende seu negócio e tem um foco claro. Cada um joga seu jogo e colhe seus frutos. Nunca achei que um mercado como esse fosse de um só.

O Iguatemi investiu em outlets – modelo que não funcionou no país no passado. Por que vai dar certo agora?

Primeiro, porque o Brasil era outro. As varejistas hoje são maiores, têm sobras maiores e
há também uma cultura maior de comprar com vantagem. Quando colocamos todas essas
variáveis juntas, temos um mercado. Ele não é tão grande como o de shoppings, mas oferece oportunidade

Ficou difícil lançar shoppings?

Sem dúvida. O Brasil cresceu muito durante quase uma década, mas chega um momento em que a oferta começa a encostar na demanda. Há oportunidades, sim, mas para empresas grandes, com credibilidade e próxima aos lojistas.

Sobre o episódio dos rolezinhos, qual sua avaliação em relação à postura do Iguatemi?

O mundo mudou demais e estamos todos tentando entender como as coisas funcionam.
Como é que um garoto convida 5 mil pessoas, de uma hora para outra, usando uma rede social? É uma mudança radical. Nossos negócios não estão preparados para receber essa quantidade de gente. Levamos ao pé da letra a questão da segurança. As pessoas
criam teorias mirabolantes sobre coisas simples, práticas: existem normas de segurança e
as pessoas precisam estar protegidas.

As medidas adotadas pelo Iguatemi foram interpretadas como preconceituosas…

Nossa preocupação nunca foi discriminar. Foi não colocar em risco as pessoas, as crianças pequenas. Era muita gente e a situação podia sair do controle. Ignorar isso seria lavar as mãos.

Fonte: Diário do Comércio de Minas Gerais.

Fernando Cunha – SJE – 22/04/2014

As soluções PowerCurve Originations e PowerCurve customer Management ajudarão o Santanter a identificar os clientes mais valiosos, bem como para compartilhar estes dados entre os negócios do banco. Permitirá assim conquistar clientes e a realizar processos de revisão de portfólio em seus produtos de banco de varejo e de investimentos

O Santander, um dos principais fornecedores de contas bancárias, créditos imobiliários, empréstimos e poupança do Reino Unido, escolheu a Experian, empresa global de serviços de informações, para auxiliar na conquista de clientes e nos processos de monitoramento de portfólio.

Após um rigoroso processo de licitação, o Santander firmou um contrato de cinco anos para o desenvolvimento de produtos Originations e customer Management da plataforma PowerCurve da unidade de Decision Analytics da Experian. O PowerCurve customer Management oferecerá ao Santander a capacidade de criar perfis exclusivos de seus clientes, abrangendo todas as relações de cada cliente com os negócios. Isto inclui pontuações e métricas de risco, poder aquisitivo, lucratividade, propensão a pagar, e valor de vida útil.

O PowerCurve Originations trabalhará juntamente com o PowerCurve customer Management para identificar os produtos corretos para os clientes corretos, permitindo que o Santander compartilhe dados, análises, software e recursos ao longo de todo o ciclo de vida dos clientes e proporcione uma ampla variedade de modelos inovadores de decisão para cada segmento de produto. Isto proporcionará ao Santander a melhor plataforma de tomada de decisão multiproduto de sua categoria, com a flexibilidade necessária para reagir rapidamente às constantes mudanças nas condições do mercado e às mudanças regulatórias e, consequentemente, permitirá que os negócios cresçam com lucratividade.

Mark Staveley, Diretor Geral de Crédito do Santander Reino Unido, comenta: "A capacidade de compartilhar estratégias entre os produtos, portfólios e estágios do ciclo de vida foi fundamental para selecionarmos nosso software e parceiro de escolha. Estávamos buscando um parceiro com experiência comprovada em projetos de infraestrutura de risco de crédito de alta complexidade e de grande escala dentro de prazos de entrega exigentes, e para trabalhar de uma maneira integrada com os negócios. Nós escolhemos a Experian devido à capacidade da mesma de atender às nossas necessidades e por sua experiência em criar soluções de hospedagem de plataformas.

"A oferta da Experian com o PowerCurve Originations e o PowerCurve customer Management foi singular. Conquistar clientes e fazer os negócios crescerem continuam sendo os principais desafios para nossos negócios e a solução da Experian nos dá a flexibilidade para identificar nossos clientes mais valiosos, bem como para compartilhar estes dados entre os negócios. Estamos ansiosos para começar a trabalhar com a Experian para o desenvolvimento de nossas estratégias comerciais e utilizar estas ferramentas para obter crescimento em longo prazo através da conquista de clientes e de avançados sistemas de análise."

Gary Wood, Diretor Administrativo de Decision Analytics da Experian para o Reino Unido e Irlanda, acrescenta: "Estamos muito satisfeitos em poder ajudar no crescimento dos negócios do Santander utilizando nossas capacidades de customer analytics e de decisões multiprodutos. Com a implementação do PowerCurve Originations e do PowerCurve customer Management, o Santander poderá facilmente acessar, refinar e maximizar o uso dos dados de seus clientes em um ambiente flexível e ágil que assegurará a manutenção de uma verdadeira vantagem competitiva. A capacidade de dar suporte ao Santander em processos de conquista e de revisão de portfólio em uma plataforma comum e de compartilhar estratégias entre os produtos, portfólios e estágios do ciclo de vida é um dos pilares fundamentais que sustentam o desenvolvimento de nossa plataforma PowerCurve."

Você também lê esta notícia em: http://noticias.serasaexperian.com.br/

Decision Analytics

Decision Analytics é uma Unidade de Negócios da Serasa Experian líder em serviços para alcançar e sustentar um crescimento significativo. Oferece soluções de alto valor agregado que ajudam as empresas a tomar decisões baseadas em análises, apoiando objetivos estratégicos, em todo o ciclo do negócio. DA oferece suporte para todas as etapas do ciclo de negócios. As soluções estão formatadas como serviços de consultoria, ferramentas analíticas, softwares e sistemas, além dos cursos da Academia de Crédito Serasa Experian, que levam o know-how da companhia até o mercado. Mais informações: www.serasaexperian.com.br/da

Serasa Experian

A Serasa Experian é líder na América Latina em serviços de informações para apoio na tomada de decisões das empresas. No Brasil, é sinônimo de solução para todas as etapas do ciclo de negócios, desde a prospecção até a cobrança, oferecendo às organizações as melhores ferramentas. Com profundo conhecimento do mercado brasileiro, conjuga a força e a tradição do nome Serasa com a liderança mundial da Experian. Criada em 1968, uniu-se à Experian Company em 2007. Responde on-line/real-time a 6 milhões de consultas por dia, auxiliando 500 mil clientes diretos e indiretos a tomar a melhor decisão em qualquer etapa de negócio. É a maior Autoridade Certificadora do Brasil, provendo todos os tipos de certificados digitais e soluções customizadas para utilização da tecnologia de certificação digital e de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), tornando os negócios mais seguros, ágeis e rentáveis.

Constantemente orientada para soluções inovadoras em informações para crédito, marketing, identidade digital e negócios, a Serasa Experian vem contribuindo para a transformação do mercado de soluções de informação, com a incorporação contínua dos mais avançados recursos de inteligência e tecnologia.

Para mais informações, visite www.serasaexperian.com.br

Experian

A Serasa Experian é parte da Experian, líder mundial em serviços de informação, fornecendo dados e ferramentas de análise a clientes ao redor do mundo. O Grupo auxilia os clientes no gerenciamento do risco de crédito, prevenção a fraudes, direcionamento de campanhas de marketing e na automatização do processo de tomada de decisão. A Experian também apoia pessoas físicas na verificação de seus relatórios e scores de crédito e na proteção a fraudes de identidade.

A Experian plc está registrada na Bolsa de Valores de Londres (EXPN) e compõe o índice FTSE 100. A receita total para o ano fiscal encerrado em 31 de março de 2013 foi de US$ 4,7 bilhões. A empresa emprega cerca de 17.000 pessoas em 40 países e possui sede corporativa em Dublin, na Irlanda e sedes operacionais em Nottingham, no Reino Unido; na Califórnia, Estados Unidos, e em São Paulo, Brasil.

Fonte: Serasa Experian.com.br

Para mais informações, visite http://www.experianplc.com

Fernando Cunha, SJE – 22/04/2014

Campos prega menos ministérios e fim do fisiologismo

Marinaldo Rosendo…amigo de São José do Egito

Na presença de vários aliados pernambucanos o pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, disse nesta segunda-feira, 14, que se for eleito reduzirá em pelo menos a metade os atuais 39 ministérios do governo Dilma Rousseff. Atacando o fisiologismo e o "patrimonialismo", Campos pregou um pacto em torno de um programa de governo e disse que colocará fim à distribuição de cargos. "Quem nos apoiar não vai achando que terá um ministério para chamar de seu", avisou o pessebista, após evento de lançamento de sua pré-candidatura.

 

Ao lado de sua vice de chapa, a ex-senadora Marina Silva, Campos disse que o Estado não suporta mais o atual modelo, que está "caduco e vencido". O pré-candidato criticou a forma como os partidos políticos se apoderam dos ministérios e tratam as pastas como "propriedade privada". "Chegou a hora de pegar o fisiologismo e mandar para a oposição. Lá, eles não sobreviverão", concluiu.

 

Questionado se não havia promovido uma distribuição de cargos a aliados no governo de Pernambuco, o ex-governador disse que a participação de partidos em sua gestão se deu em torno de um programa. "Não é o que está acontecendo no governo que está aí", rebateu.

 

Campos desconversou sobre a possibilidade de desistir da candidatura caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre na disputa presidencial. "A nossa vida nós resolvemos e seguimos em frente. A vida do governo, eles resolvem no tempo e na forma que eles puderam resolver", disse. Para Campos, hoje o País caminha de forma diferente do ritmo imposto pelo governo Lula. "Há diferenças que são percebidas pela sociedade brasileira", comentou.

 

O pré-candidato do PSB disse que seu partido e a Rede Sustentabilidade, de Marina, seguirão negociando a formação dos palanques estaduais até junho, prazo final para definição das candidaturas locais. Ele afirmou que em pelo menos 15 Estados há acordo, mas disse encarar com naturalidade a possibilidade de não haver consenso sobre todos os palanques regionais. "Alguns terão caminho comum, outros não", admitiu.

 

Fonte: Agencia Estado

Blog do Magno Martins, 14/04/2014.

Fernando Cunha, SJE 14/04/2014

 

 

O deputado e o doleiro, por Ricardo Noblat

 

O doleiro Alberto Youssef, preso há três semanas pela Polícia Federal, fez parte há 6 anos de uma comitiva oficial do governo brasileiro que visitou Cuba. Foi o que contou à VEJA o deputado Vicente Cândido (PT-SP), atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, que o conheceu naquela ocasião.

Daí? Daí nada.

Se o deputado André Vargas (PT-PR), amigo de mais de 20 anos de Youssef, não sabia que ele era doleiro, muito menos o governo brasileiro daquela época. Certo?

A presidente e o senador, por Ricardo Noblat

 

Dilma conhece de passeios no Lago Sul de Brasília o senador Gim Argello (PT-DF), indicado para uma vaga do TCU pelos partidos que apoiam o governo. Mas aposto que desconhece o prontuário dele.

Argello responde a seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal. É suspeito de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, peculato (desvio de dinheiro público) e crime contra a lei de licitações.

 

A charge de Amarildo

 

 

STJ mantém condenação contra Luiz Estevão a mais de 30 anos de prisão

 

O Globo

Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve nesta quarta-feira a condenação contra os empresários Luiz Estevão, José Eduardo Corrêa e Fábio Monteiro de Barros Filho. Os três, junto com o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto, foram condenados por fraudar licitação e superfaturar a construção do fórum do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. A pena de Estevão foi fixada em 30 anos e oito meses de prisão e pagamento de multa, mas não deve ser executada agora. A defesa pretende entrar com novo recurso ao STJ.

No recurso julgado hoje, os advogados alegaram supostas falhas técnicas no processo, como o cerceamento de defesa, a quebra de sigilo bancário sem autorização judicial e a ausência de perícia. Os ministros discordaram do argumento.

 

Irmão de André Vargas trabalhou para doleiro, diz jornal

 

O Globo

Uma gravação captada pela Polícia Federal, durante a Operação Lava Jato, mostra o deputado petista licenciado André Vargas (PR) cobrando o doleiro Alberto Youssef um pagamento para o seu irmão, Milton Vargas. A informação foi publicada nesta quarta-feira, pelo jornal “Folha de S. Paulo”.

Segundo a publicação, Vargas diz que o irmão foi contratado pelo doleiro para prestar um serviço de tecnologia para a empresa Labogen, no ano passado. A PF aponta que a empresa foi usada para fazer remessas ilegais de US$ 37 milhões para o exterior.

Fonte: G1 – Blog do Noblat

Fernando Cunha, SJE – 09/04/2014

 

 
 


 

 

 

 

Elio Gaspari

 

Vem, Lula

Uma eleição presidencial com Nosso Guia na disputa faria bem a todo mundo, inclusive a ele

Quem viu a final do vôlei masculino das Olimpíadas de Londres há de se lembrar. O Brasil ganhara dois sets e faltava só fechar um ponto para levar o ouro, quando o técnico russo botou Dmitry Muserskiy (2,1 metros) na quadra. Resultado: a Rússia fez o ponto, levou os dois sets seguintes e ficou com o ouro. Se o PT achar que a reeleição de Dilma corre perigo, deixará Lula no banco para agradar a seus adversários?

Tudo ficaria melhor se Lula saísse como candidato a presidente. Por cinco razões:

1) Porque é maior de idade e está no exercício de seus direitos políticos.

2) Porque o “Volta Lula” vem enfraquecendo o governo do poste que ele ajudou a botar no Planalto.

3) Porque uma parte do desgaste que está corroendo a doutora Dilma é dele e foi-lhe jogado no colo. Afinal, o mensalão e as petrorroubalheiras nasceram na sua administração.

4) Porque a outra parte do desgaste da doutora está associada ao mito da gerentona, criado por ele. Afinal, é a “Mãe do PAC”.

5) Porque a transformação do PT num aparelho arrecadador de fundos teve o seu permanente beneplácito, tanto durante os oito anos em que esteve na Presidência, como depois. O deputado André Vargas não é um ponto fora da curva, mas uma luzinha dentro da estrela vermelha.

As urnas decidirão se o PT deve receber um novo mandato presidencial. Quatro anos de Dilma mostraram que o poder é mais do partido do que do ocupante do Planalto. Isso não deriva de qualquer malignidade intrínseca do comissariado, mas do fato que ele é o único partido organizado do país. Se os outros não se organizaram e o máximo que fazem é combinar jantares, o problema é deles. Vitorioso, o PT terá 16 anos ininterruptos de poder. Isso jamais aconteceu na História brasileira e não fará diferença se esse mandato for exercido por Lula ou Dilma. Pelo contrário, para o bem ou para o mal, ele representa melhor a estrela que fundou do que ela, uma convertida tardia.

A entrada de Lula na disputa daria maior clareza à escolha. Se ele é um político prestigiado, com 37% dos entrevistados pelo Datafolha dispostos a votar em quem tiver seu apoio, torcer para que fique no banco de reservas é uma ilusão.

Chegou-se a abril e os dois candidatos da oposição produziram apenas listas de celebridades e palavrório. Sabe-se mais das diferenças entre os prováveis candidatos republicanos para a eleição americana de 2016 do que das plataformas de Aécio Neves e Eduardo Campos.

Há pouco a Câmara aprovou uma medida provisória com centenas de contrabandos. Entre eles, mais uma estia para sonegadores de impostos e um mimo para os planos de saúde que não cumprem os contratos que vendem aos clientes. Isso só foi conseguido por um acordo de lideranças parlamentares, com o apoio das bancadas oposicionistas.

Nas três últimas eleições presidenciais os candidatos tucanos escondiam Fernando Henrique Cardoso, sem explicar por quê. Agora, Aécio Neves e Eduardo Campos escondem que fazem oposição a Lula. Talvez acreditem que só devem falar claro às vésperas da eleição, seguindo protocolos estabelecidos pelos marqueteiros. Nas eleições anteriores fizeram isso e, derrotados, procuraram culpar essa nova modalidade de astrólogos.

Fonte: G1 – Elio Gaspari

Fernando Cunha, SJE – 09/04/2014

 

EITA PREFEITO RUIM…..

Em Olinda, blitz da oposição "vistoria" obras paradas

Vereadores verificam in loco intervenções no bairro de Jardim Brasil I e escutam reclamações da população. Prefeitura diz que ritmo de obras está dentro do previsto

Publicado em 08/04/2014, às 06h51

A nova bancada de oposição da Câmara de Vereadores de Olinda realizou ontem, a primeira “blitz das obras paralisadas”. Os vereadores Arlindo Siqueira (PSL), Jorge Federal (SDD), Riquinho (PROS) e Jesuíno Araújo (PSDB) – este último recém-integrado ao grupo oposicionista no Legislativo –, na companhia do movimento Acorda Olinda, visitaram intervenções públicas paralisadas no bairro de Jardim Brasil I. Em resposta à denúncia, a prefeitura alegou que o andamento dos serviços está dentro do ritmo programado. O prefeito Renildo Calheiros (PCdoB) também programou uma vistoria no bairro para esta semana.

A oposição na Câmara de Vereadores responsabiliza o prefeito Renildo Calheiros pelos atrasos nas obras de esgotamento sanitário e pavimentação iniciadas na bacia do Rio Beberibe.

A iniciativa de vistoriar as obras supostamente paralisadas foi motivada pela não abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal, proposta pelo líder da oposição, o vereador Arlindo Siqueira. De acordo o oposicionista, o sentimento ao chegar à Rua Maranhão foi de “clamor geral da população”.

Os idosos, segundo o líder da oposição, teriam reclamado das dificuldades enfrentadas durante os períodos de chuva. “Essas obras estão atrasadas há muito tempo. O mais grave é que já foram liberados dois recursos, para a Delta e para a CCM – empresas contratadas para os serviços –, e as obras não terminaram”, afirmou Arlindo Siqueira.

As obras de urbanização integrada executadas em 57 ruas do bairro estão incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento II (PAC II), que investiu em R$ 65 milhões. A previsão do projeto era que mais de 3,5 mil residências fossem beneficiadas com pavimentação, esgotamento sanitário e rede de drenagem. A Prefeitura de Olinda rebate e diz que o andamento dos serviços está no ritmo projetado.

Os vereadores de oposição pretendem continuar com as blitze durante toda esta semana. Na próxima sexta-feira (11), eles vão reunir-se em assembleia com os moradores para arrecadarem assinaturas. O objetivo é mover uma ação popular contra o Executivo municipal.

Fonte: JC – 08/04/2014

Fernando Cunha, SJE

O Mundo está mudando e com ele a roda gira..

Consumidores querem que empresas respeitem a biodiversidade

Publicado em 08.04.2014, às 20h00

3dcef57a6b81205b4285fd34a2f7d758.jpg

 

Pesquisa da União para o BioComércio Ético (UEBT), divulgada nesta terça-feira (8), em Paris, apurou que 87% dos consultados esperam que as empresas respeitem a biodiversidade quando buscam ingredientes naturais para seus produtos. A UEBT é uma associação sem fins lucrativos que promove o Abastecimento com Respeito de ingredientes provenientes da biodiversidade. A pesquisa foi feita em fevereiro deste ano com 7 mil pessoas em sete países – França, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, Colômbia, Vietnã e Brasil.

A preocupação é particularmente significativa entre consumidores de países emergentes, enquanto nos países desenvolvidos a concepção exata de biodiversidade não foi apreendida. Segundo a pesquisa, mais de 90% dos entrevistados no Brasil, Colômbia e Vietnã declararam ter ouvido falar sobre biodiversidade e quase a metade deles (49%) foi capaz de definir corretamente o termo. Isso representa o dobro do que ocorre nos Estados Unidos.

De acordo com a pesquisa Barômetro da Biodiversidade, os consumidores brasileiros são os que se mostram mais atentos em relação à conservação da biodiversidade e ao significado da palavra: 89% dos entrevistados esperam que as empresas reconheçam a importância da biodiversidade em suas políticas e 88% acreditam que devem dar sua contribuição pessoal no processo de preservação do meio ambiente.

A sondagem é feita desde 2009 e engloba empresas de alimentos, cosméticos e fármacos. Os consumidores se mostraram interessados também em saber como está a relação das empresas com seus fornecedores de matérias-primas.

A representante da UEBT para América Latina, Cristiane de Moraes, disse à Agência Brasil que, em geral, os países emergentes têm a biodiversidade como fonte de insumos para indústrias, o que faz despertar o interesse dos consumidores em torno dos ingredientes naturais. Além disso, a biodiversidade é visível em países como Brasil e Colômbia, onde as florestas são consideradas um bem comum da população.

Em torno de 88% dos consumidores entrevistados nas sete nações desejam que as empresas informem a preocupação com a biodiversidade por meio da internet e em anúncios publicitários. Já 87% disseram preferir encontrar as informações nas embalagens dos produtos. No Brasil, o percentual sobe para 95%. A pesquisa revela também que as pessoas valorizam selos de sustentabilidade na embalagem.

O levantamento indica que o número de pessoas que dão a definição correta de biodiversidade vem caindo na França, Alemanha, Reino Unidos e Estados Unidos desde 2012, quando atingiu 40%, passando para 39%, em 2013 e 37% este ano. Em outro sentido, os números apontam crescimento no Brasil. No mesmo período, o índice passou de 50%, em 2012, para 53% no ano seguinte e, agora, para 55%.

Cresceu o conhecimento sobre a biodiversidade desde 2009, diz a pesquisa. Ao mesmo tempo, retrocedeu o entendimento sobre o tema. Cristiane de Moraes salientou que, considerando que uma das metas da Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB) para 2020 é que a grande maioria da população mundial deveria conhecer o tema, há muito a ser feito.

“É preciso esforço extra para que o tema não somente seja de consciência do público, mas também que as pessoas estejam motivadas a valorizar ações de empresas que tratam de forma ética suas cadeias de abastecimento, onde é possível promover a conservação da biodiversidade através do uso sustentável dos seus recursos e, também, gerar valor para os produtores locais. Isso pode fazer diferença para um cenário socioeconômico saudável”.

No item em que foi perguntado se os consumidores levam em conta o respeito pelas populações locais quando compram uma determinada marca de cosmético, em termos de condição de trabalho, preço e salários justos, o Brasil lidera a pesquisa com 52%, superando a média entre os sete países abordados.

Em relação às 100 maiores empresas do segmento de beleza, a pesquisa da UEBT concluiu que somente 31 delas se esforçam para ter uma conduta de abastecimento favorável biodiversidade.

A UEBT destaca outras mensagens para o setor empresarial. De acordo com o Barômetro da Biodiversidade, 85% dos consumidores querem obter mais informações sobre os ingredientes naturais usados na fabricação dos produtos.

Fonte: Agência Brasil

Fernando Cunha, SJE – 08/04/2014

 

STF terá de julgar caso sobre furto de galinha

Publicado em 08.04.2014, às 18h16

SERÁ PERDA DE TEMPO? CÓCÓCÓ..

cbdb706ff48727087cf85820d33917df.jpg

Já foram julgados pelo STF subtração de celular e furtos de garrafa de vinho, roda de carro, barra de chocolate e embalagens de xampu.
Foto: FreeImages

 

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) terão de decidir em breve se deve ser mantido ou arquivado um processo criminal aberto contra Afanásio Maximiniano Guimarães, acusado de ter furtado um galo e uma galinha avaliados em R$ 40.

A defensoria pública tentou livrar Afanásio do processo, mas não conseguiu até agora. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitaram os pedidos, que eram baseados no princípio da insignificância, ou seja, no pequeno valor das aves subtraídas. Também foi usado o argumento de que os animais foram devolvidos ao proprietário.

Em um despacho assinado no último dia 2, Fux negou o pedido de liminar para que a ação fosse suspensa. "A causa de pedir da medida liminar se confunde com o mérito da impetração", justificou o ministro. Ele decidiu pedir um parecer do Ministério Público Federal. Em seguida, o caso deverá ser julgado pelos ministros da 1ª Turma do STF.

O Supremo é o tribunal responsável no Brasil por julgar causas criminais abertas contra autoridades, como congressistas, que têm direito ao chamado foro privilegiado. O julgamento mais rumoroso ocorreu recentemente, quando o plenário condenou acusados de envolvimento com o esquema do mensalão, entre os quais, parlamentares e ex-ministros.

Além de ações penais contra autoridades, o tribunal também tem de decidir se leis estão ou não de acordo com a Constituição. Mas, rotineiramente, aparecem ações como a de Afanásio. Já foram julgados, por exemplo, casos envolvendo subtração de celular e furtos de garrafa de vinho, roda de carro, barra de chocolate e embalagens de xampu.

Fonte: Agência Estado

Fernando Cunha, 08/04/2014 – SJE