Monthly Archives: novembro 2013

Lendas Urbanas é a tara do PEREBA, e conversando na praça do peido,balança,esquina com a bolsa de valores da Cidade de São do Egito,que fica na maravilhosa Rua da Baixa, local de poetas,intelectuais,malucos,dianas do pastoril,doidos,visionários,empreendedores,pobre,rico,feliz,sonhadores,curiosos, com tantas opiniões e idéias sobre o que será feito naquele local, inclusive falamos com o médium Dias,conforme foto abaixo:

Então, eis algumas sugestões do que será desta área vip;

1- Monumento a Cazuza

2- Uma botija

3- Kama Sutra

4 – Um poço de saudades

5 – A  caverna do dragão

6 – Uma barragem subterrãnea

7 – Sinal da TIM,Oi

8 – Um morto vivo

9 – Inferninho

10 – Uma carta  inocentando Genoíno e Zé Dirce

11 – Um bilete premiado com passagem free para Xanda

12 – Um parque de diversões

13 – Só Jesus Salva

 

Pereba, o lanche da sociedade egipiense, 30/11/2013

 

Invictus, o poema que inspirou Nelson Mandela :

Quando aprisionado em Robben Island, onde cumpria pena de trabalhos forçados, o líder sul-africano, símbolo da luta contra o Apartheid, encontrou nas palavras de Henley a esperança e a força necessárias para manter-se vivo. Mandela conta que toda vez que começava a esmorecer, lia e relia o texto, em busca de um "companheiro" para a dor.  O professor de literatura inglesa Marion Hoctor, em entrevista a CNN, explicou que o poema representa o humanismo secular, o espírito da época vitoriana, a ascensão de Darwin e as ciências como um desafio ao pensamento tradicional e criacionismo. 

Invictus 

Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Agradeço aos deuses que existem
por minha alma indomável

Sob as garras cruéis das circunstâncias
eu não tremo e nem me desespero
Sob os duros golpes do acaso
Minha cabeça sangra, mas continua erguida

Mais além deste lugar de lágrimas e ira,
Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaça dos anos,
Me encontra e me encontrará, sem medo.

Não importa quão estreito o portão
Quão repletade castigo a sentença,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma. 

Fernando Cunha, SJE, 28/11/2013

Perdão, Jéssica

Você foi ao forró para festejar o novo emprego. Aí tudo parou. O carro te pegou pelas costas e o motorista está solto

A dura realidade das nossas estradas! merece uma reflexão!

RUTH DE AQUINO
22/11/2013 20h06 – Atualizado em 22/11/2013 20h06
 
 
 
 

Você não passava de uma jovem mulher comum. Uma beleza mestiça bem brasileira, com olhos amendoados pintados por delineador, cabelos pretos escorridos. Tinha 22 anos e uma filhinha de 4 anos. Morava no Piqueri, Zona Norte de São Paulo.

Jéssica, você estava feliz. No amor, as coisas andavam bem. Tinha marcado para o fim de 2014 o casamento com o namorado dois anos mais novo, Geyvyson, um nome cheio de ipsilones. Na vida profissional, depois de seis meses sem trabalho, você tinha passado nas entrevistas na última terça-feira, dia 19, e estava animada para começar no novo emprego de atendente de telemarketing, na quinta-feira, dia 21.

Havia um feriado no meio da semana, que bom. Jéssica, você escolhera um programa comum e bem brasileiro para comemorar o emprego. Um show de sertanejo e forró. Pegaria o ônibus numa avenida movimentada, Edgar Facó, em direção ao Centro de Tradições Nordestinas, no bairro do Limão. O cantor era Gusttavo Lima, assim mesmo, com dois ‘t’s, e as bandas eram Garota Safada e Forró Balancear.

Você tinha saído com o namorado e dois casais de amigos. O relógio marcava aproximadamente meia-noite. Foi aí que tudo parou. O semáforo estava vermelho para carros. Você acreditou que, pela faixa de pedestres, chegaria ao outro lado da avenida. Um carro já estava parado no sinal. Você começou a atravessar. Conseguiu evitar um primeiro carro em alta velocidade, num pulo. Foi atropelada pelo segundo, que vinha, segundo a polícia, a 120 quilômetros por hora, o dobro da velocidade máxima permitida no local, de 60 quilômetros por hora. Seria um pega, um racha entre dois carros assassinos?

O Fiat Stilo amarelo pegou você, Jéssica, pelas costas. Com o impacto, seu corpo atravessou o para-brisa e ficou preso ao carro, que ainda percorreu 200 metros até parar em cima da Ponte do Piqueri. Jéssica Bueno Rodrigues da Silva – Silva como o ex-presidente Lula e tantos de nós –, você morreu na hora com a violência do choque. Suas pernas ficaram encaixadas no teto solar do carro, uma imagem de horror. O motorista e seus dois amigos fugiram sem sequer pensar em socorro. Disseram ter sentido medo de linchamento.

O motorista, o pedreiro autônomo Vagner Fraga Ferreira, de 28 anos, não poderia estar na direção de um veículo. Sua carteira fora cassada por acúmulo de infrações e multas, havia alguns meses. Ele já fora apanhado nessa situação e não poderia mais dirigir até maio de 2015. Algumas de suas infrações: manobra perigosa, arrancada brusca; transitar em calçada com carro; lacre, chassi, selo ou placa violada ou falsificada; excesso de velocidade. Tudo isso é detalhe no Brasil, até o cara matar alguém. Tem um monte de Vagner solto por aí.

Ele continua solto, por ser réu primário. Apresentou-se à delegacia no dia seguinte e saiu livre, no carro de seu advogado. Foi indiciado por suspeita de homicídio com dolo eventual. Isso significa homicídio intencional, quando se conhece o risco de provocar a morte de alguém. Vagner alegou ter sido fechado por um carro. Disse que o sinal estava verde. Os depoimentos das testemunhas o desmentem. O delegado busca imagens de câmeras para chegar a uma versão final. Nunca saberemos se Vagner estava embriagado.

Jéssica, você foi enterrada no feriado mesmo, à tarde, no Cemitério Vila Nova Cachoeirinha. Seu noivo chorava. Ninguém sabia como dizer a sua filha que você saiu para o forró, mas não voltaria nunca mais. Nenhum de seus parentes acredita na Justiça. Jéssica, você não era rica nem famosa, nem filha de celebridade. Sua mãe, Solange, disse não ter esperança de que Vagner fique preso: “Ele se apresentará com um bom advogado. Vamos esperar ele matar outra pessoa, quem sabe aí ele pode ser preso”. Sua prima, Rose, afirmou: “Neste país, não existe o quê? Justiça. Ele (motorista) fugiu do flagrante e não vai acontecer nada, absolutamente nada, nada. É o país da gente”.

No “país da gente”, ninguém sairá nas ruas em protesto contra sua morte nem erguerá o punho cerrado contra seu atropelamento bárbaro. Você virou um número, entre os 45 mil mortos por ano em crimes de trânsito no Brasil. Desse total, 44% morrem atropelados, como você, Jéssica. Quase 20 mil. São dados oficiais e escandalosos do Portal do Trânsito Brasileiro.

Vários pedestres assumem riscos ao atravessar fora da faixa. Em países civilizados, pedestres não são exterminados como moscas. Países civilizados jamais deixariam em liberdade um atropelador como Vagner, com sua biografia pregressa de infrator compulsivo. As causas principais de atropelamento com morte são bem conhecidas: velocidade não compatível com a segurança, falta de atenção, desobediência à sinalização, uso de drogas e bebidas.

Perdão, Jéssica, mas, no “país da gente”, sua história não dá manchete.

Fonte: Revista Época, coluna de Ruth de Aquino.

Fernando Cunha, SJE,26/11/2013

Na Bahia, Lula diz que brasileiro perdeu complexo de vira lata, mas elite e imprensa teriam inveja de seu sucesso no governo

POSTADO ÀS 14:09 EM 25 DE NOVEMBRO DE 2013
O AMIGO EIKE ESTÁ ESQUECIDO, É.
Por Fernando Castilho, especial para o Blog de Jamildo

Alagoinhas- (BA) – “Eu precisava vir aqui. Eu estava com saudades do microfone. Eu tinha que vir aqui e dizer que pode me chamar para qualquer inauguração de uma nova fábrica neste país porque tem uma coisa que ninguém pode tirar de mim e do povo brasileiro que é o otimismo.”

Foi quase um desabafo de um Lula da Silva de voz rouca e suando muito, mas que pareceu ter voltado ao velhos tempos quando o ocupava a Presidência da Republica e costumava abandonar os discurso da assessoria para falar de improviso e empolgar a plateia que começou a lhe aplaudir quando ele disse que tomava emprestado um slogan que tem na entrada de Salvador: Sorria você está na Bahia.

Mas na cidade de Alagoinhas a 100 quilômetros de Salvador, o ex-presidente Lula da Silva como convidado do empresário Walter Farias, um dos campeões nacionais que seu governo elegeu no setor cervejeiro através de apoio via BNDES, fez uma defesa de seu governo e do da presidente Dilma afirmando que a Imprensa brasileira e as elites continuam com inveja do sucesso dos governo do PT.

-Eu não consigo, disse o ex-presidente, entender como algumas pessoas nesse pessoas continuem com esse complexo de vira-lata acreditando que tudo que é de fora é melhor do que o daqui. Pois eu digo que não. Que nós podemos fazer cerveja tão boa como as alemãs, e de dezenas de outros produtos com qualidade entre os melhores do mundo.

Se em lugar do que fizemos em 10 anos tivéssemos fracassados todos estavam lamentando com ironia. Mas como mudamos o Brasil eles não aceitam.

-Eles não não aceitam que um presidente analfabeto tenha passado de 3 milhões de vagas nas universidades para 7,6 milhões e que um empresário que não se formou (referindo ao dono da Itaipava) tenha construído o maior grupo privado cervejeiro nacional, disse um Lula para cinco mil pessoas que aplaudiram quando ele disse que as elites ficam com raiva quando vêem, o filho de empregada estudar Medicina, o de um pedreiro ser engenheiro e de um jardineiro entrar no Itamaraty.

O ex-presidente até que seguiu no início o discurso escrito por sua assessoria onde fez didaticamente um balanço de seu governo e da presidente Dilma Rousseff tomando um corte de 10 anos. Disse que em 10 anos o Brasil saiu do 10º para 4º mercado de automóveis, de 100 milhões de grãos produzidos para 184 milhões e que dos US$ 37 bilhões em reservas (20 deles do FMI) para US$ 375 bilhões sendo credor do fundo.

Lembrou que a Petrobras saiu de alguns bilhões em investimento para US$ 43 bilhões, ano passado, além de um dezena de dados comparativos para abandonar o texto escrito e começar uma série de comparações, entre elas a de que no seu governo foi que tanto os banqueiros como os empresários de infraestrutura nunca ganharam tanto dinheiro.

Ele também lembrou que antes de seu governo os empresários de obras se queixavam de que não tinha obra e que ao final se criou um mercado extraordinário. Para confirmar pediu o testemunho do presidente do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, cuja empresa é quem faz as fabricas do Grupo Itaipava inclusive a de Pernambuco.

Lula pediu ainda o testemunho dos atletas Hortênsia e Cigano (MMA) para dizer que foi no seu governo que mais se investiu em educação e esportes e lembrou que foi a todas as inaugurações de foi convidado para dar uma estocada no ex-governador de José Serra que se queixou que ele vinha até assinatura de contrato do BNDES que São Paulo iria pagar para dizer que ia para mostrar que sem o dinheiro do BNDES são Paulo não faria as obras que precisava.
fonte: blog do jamildo
FERNANDO cUNHA, sje 25/11/2013

Obra do aeroporto do Recife é excluída da Matriz da Copa do Mundo

POSTADO POR THIAGO WAGNER DA SILVA ÀS 12:19 EM 25 DE NOVEMBRO DE 2013
ESTRANHO ESTA DECISÃO, DEPOIS QUE EDUARDO SE LANÇOU CANDIDATO!

A reforma do Aeroporto Internacional dos Guararapes, que fica na Zona Sul do Recife, não faz mais parte da relação de obras voltadas para a Copa do Mundo de 2014. Na edição desta segunda-feira do Diário Oficial da União, o Ministério dos Esportes excluiu a intervenção no aeroporto da capital pernambucana da Matriz de Responsabilidade para o Mundial. O valor da obra é de R$ 18,5 milhões. A retirada da construção sugere que a conclusão da reforma não seria possível antes do prazo estabelecido pela Fifa.

Além da obra do aeroporto recifense, outras 13 intervenções de mobilidade ao redor do País foram retiradas da Matriz de Responsabilidade para a Copa. Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, foi a cidade que sofreu mais. Ao todo, dez construções foram eliminadas da lista de obras para o Mundial. Outras três sedes da Copa tiveram obras excluídas – Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

De acordo com o Ministério do Esporte, todos os investimentos que estão sendo feitos para a Copa do Mundo somam 25,5 bilhões.

O Blog entrou em contato com a Secretária Extraordinária da Copa em Pernambuco, que informou que a responsabilidade da obra é da Infraero.

Fonte:Blog do Jamildo

Fernando Cunha, SJE 25/11/2013

Sem licença ambiental, Cimento Bravo não terá mais fábrica em Pernambuco

 

 

 

 
 
A SUSTENTABILIDADE SERÁ A CHAVE DE UM NOVO FUTURO 
 

Em abril deste ano, o mercado tomou conhecimento de que a  Queiroz Galvão, comandada pelo empresário Antônio Augusto Queiroz Galvão, se prepara para entrar na briga pelo mercado de cimento no Brasil, competindo diretamente com gigantes como a Votorantim e a Camargo Corrêa. A empresa se associou ao grupo pernambucano Cornélio Brennand – das áreas de energia e produção de vidros – para construir uma primeira de cinco fábricas projetadas, em São Luís, a capital do Maranhão, com capacidade de produzir 500 mil toneladas de cimento por ano.

O projeto prevê cinco unidades industriais que devem ser erguidas pela joint venture, cujo investimento pode chegar até R$ 1 bilhão. Inicialmente a empresa atuará com foco nas regiões Nordeste e Norte. Esses são os mercados que mais crescem no Brasil.

De acordo com informações de mercado, os grupos já estavam cuidando das questões administrativas e de logística da fábrica local, mas acabram dando para trás, uma vez que tiveram problemas para a concessão da licença ambiental no Estado.

Fonte: Blog do Jamildo, 25/11/13

Fernando Cunha