3-banner 2021 1900x400

CONDOMÍNIO SUSTENTÁVEL – UMA ESTRATÉGIA ESG

ESG é a sigla em inglês para “environmental, social and governance” (ambiental, social e governança, em português), geralmente usada para medir as práticas ambientais, sociais e de governança de uma empresa.

Em outras palavras, negócios que se comprometem com as melhores práticas de gestão acabam tendo uma operação mais sustentável em diversos aspectos, incluindo o econômico e na gestão de riscos – e, como consequência, geram resultados melhores ao longo do tempo

A sigla ESG une três fatores que mostram quanto uma empresa está comprometida em ter uma operação mais sustentável em termos ambientais, sociais e de governança.

Cada letra tem um significado:

E (environmental, em inglês, ou ambiental, em português)

A letra E da sigla se refere às práticas de uma empresa em relação à conservação do meio-ambiente e sua atuação sobre temas como:

  • Aquecimento global e emissão de carbono;
  • Poluição do ar e da água;
  • Biodiversidade;
  • Desmatamento;
  • Eficiência energética;
  • Gestão de resíduos;
  • Escassez de água.

S (social, em inglês e português)

Já a letra S diz respeito à relação de uma empresa com as pessoas que fazem parte do seu universo. Por exemplo:

  • Satisfação dos clientes;
  • Proteção de dados e privacidade;
  • Diversidade da equipe;
  • Engajamento dos funcionários;
  • Relacionamento com a comunidade;
  • Respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas.

G (governance, em inglês, ou governança, em português)

Por fim, a letra G se refere à administração de uma empresa. Por exemplo:

  • Composição do Conselho;
  • Estrutura do comitê de auditoria;
  • Conduta corporativa;
  • Remuneração dos executivos;
  • Relação com entidades do governo e políticos;
  • Existência de um canal de denúncias.

Como transformar meu condomínio em um sustentável?

Hoje em dia, muitos condomínios residenciais já estão sendo construídos com toda a infraestrutura necessária para facilitar práticas sustentáveis. Porém, mesmo em construções antigas ou que já estão ocupadas é possível adotar medidas de uso racional dos recursos naturais, convertendo-os em espaços sustentáveis.

Educar a nova geração

Um dos benefícios mais importantes é de ordem imaterial: a oportunidade de educar e criar os filhos em um lugar em que as medidas reais são tomadas para preservar o meio ambiente.

Redução de custos

Além da possibilidade de formar cidadãos conscientes, outros fatores também contam a favor de um condomínio sustentável. O gasto com água e energia elétrica tende a ficar mais em conta na medida em que é adotado um sistema de uso racional desses recursos.

A tendência é que, com o tempo, as medidas de economia e uso inteligente da água e da energia elétrica reflitam até mesmo nos gastos de manutenção do condomínio, diminuindo o valor das taxas condominiais.

Outra vantagem é a obtenção de um ambiente mais fresco e arejado, graças à valorização de áreas ajardinadas, gramados e bosques. Essas áreas estão presentes em condomínios em que existe a preocupação com a manutenção.

Diante desse cenário, a valorização de um condomínio sustentável está em constante elevação. Em uma matéria do site do SEBRAE (Serviço de Apoio às micros e pequenas empresas), foi citada uma declaração de Felipe Faria — diretor executivo do Green Building Council Brasil.

Hoje em dia, muitos condomínios residenciais já estão sendo construídos com toda a infraestrutura necessária para facilitar práticas sustentáveis. Porém, mesmo em construções antigas ou que já estão ocupadas é possível adotar medidas de uso racional dos recursos naturais, convertendo-os em espaços sustentáveis.

Um dos pontos mais importantes a serem colocados em prática em um condomínio sustentável diz respeito à coleta seletiva do lixo, à destinação correta dos resíduos e à reciclagem. Essa ação requer participação dos moradores, já que o processo deve começar dentro das unidades com a separação atenta do lixo.

Se o condomínio tem jardins, também é possível trabalhar com a ideia de uma composteira comunitária. Por meio da compostagem, os resíduos orgânicos das residências podem ser convertidos em adubo para as áreas verdes do local.

É possível que o síndico ou administradora do condomínio busque parcerias com cooperativas da região em que o conjunto está instalado e que atuem com reciclagem. Assim, além de encontrar o destino adequado para os resíduos, será uma forma da comunidade dos condôminos ajudar na geração de renda da sua cidade ou do seu bairro.

Nas áreas comuns, como salões de festa, recepção e piscinas, podem ser instaladas cisternas para recolher água da chuva. A água captada pode ser utilizada para limpeza dos espaços comuns e irrigação das áreas verdes.

Quanto à economia de energia, uma série de medidas podem ser tomadas para evitar o desperdício e diminuir os gastos do condomínio com eletricidade. Para tanto, é possível investir em aquecimento solar para as áreas comuns, como piscinas, chuveiros dos funcionários, etc.

Manter áreas permeáveis compondo as edificações residenciais é uma forma de contribuir para a minimização desse problema. Portanto, é importante que o condomínio valorize as áreas verdes, gramados, bosques e jardins.

A responsabilidade por tornar um condomínio sustentável é de todos. Moradores, síndico, funcionários e administradora: todos devem assumir a responsabilidade por manter o condomínio um espaço sustentável.

Em vista disso, muitos condomínios brasileiros estão recebendo a cobiçada certificação GBC Brasil (Green Building Council). Para que um empreendimento ganhe essa certificação é preciso atender alguns pré-requisitos obrigatórios, como:

  • eficiência energética;
  • qualidade ambiental interna;
  • uso eficiente da água;
  • inovação e projeto.

São quatro níveis que a certificação concede: o verde, prata, ouro e a platina. Para ganhar um deles, além dos requisitos citados, o condomínio precisa comprovar que promove soluções que:

  • ajudem a diminuir a mudança climática global;
  • melhorem a saúde e o bem-estar humano;
  • protejam e restaurem os recursos hídricos;
  • minimizem o impacto na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos;
  • aumentem a educação e a comunicação visando a justiça ambiental e a saúde comunitária.

Quando um condomínio atinge um desses níveis consegue uma visibilidade maior no mercado imobiliário e torna-se mais valorizado também.

A preocupação ambiental é mais do que uma tendência, é uma necessidade diante das atuais circunstâncias. Portanto, encontrar formas de tornar sua casa e seu condomínio mais sustentável é uma maneira de antever as necessidades futuras.

Verificando a programação da Fesíndico 2021, não observei preocupação neste sentido; esse debate em breve será necessário para orientar os síndicos da importância deste tema tão atual, pois os condomínios são as mini cidades do futuro.

Fernando Cunha – síndico profissional pela UCR -Recife; formado em matemática, pós graduado em marketing, mba em gestão e planejamento ambiental.

Fonte:

O que a sigla ESG quer dizer sobre uma empresa?

Condomínio sustentável: entenda tudo sobre este conceito de moradia

PAULISTA, 20/10/2021

SITUAÇÃO PREOCUPANTE….

Moradores coletam comida em caminhão de lixo em Fortaleza

Por Gioras Xerez, g1 CE

Pessoas buscam comida em caminhão de lixo em Fortaleza

Na porta de um supermercado no Bairro Cocó, área nobre de Fortaleza, um grupo de pessoas procura alimentos dentro de um caminhão de lixo. A imagem foi filmada pelo motorista de aplicativo André Queiroz no último dia 28 de setembro e compartilhada nas redes sociais neste domingo (17). Nas imagens, homens e mulheres coletam comida descartada de um comércio.

“Pois é, muito triste. Existem cenas como essa sempre naquela região. Sempre vejo, mas não como essa daí. Por isso resolvi filmar. É bem impactante”, afirmou André Queiroz.

Ao g1, um funcionário do supermercado que prefere não se identificar afirmou que a cena acontece todas as semanas, e crianças também buscam comida que seria jogada em um lixão.

“É isso aí que você vê no vídeo. Faz pena ver essas pessoas nessa situação humilhante. São idosos e até crianças, algumas vezes. As crianças chegam a entrar no caminhão. Os próprios lixeiros ficam sensibilizados. Alguns chegam até ajudar”, disse.

Ainda de acordo com o funcionário, a cena passou a ser mais rotineira depois da pandemia. Antes, algumas pessoas faziam buscas no local por materiais recicláveis, como papelão, caixas e plásticos.

“Eram catadores que procuravam material para ser reciclado. Hoje o que vemos aqui é gente atrás de se alimentar. Eles pegam tudo. Hortaliças, mortadela, pão vencido e também as frutas. Uma cena de cortar o coração”, lamenta o funcionário.

 

Moradores do Bairro Cocó, em Fortaleza, buscam comida descartada de supermercado que iria para caminhão de lixo — Foto: Reprodução

Moradores do Bairro Cocó, em Fortaleza, buscam comida descartada de supermercado que iria para caminhão de lixo — Foto: Reprodução

Problema afeta 19 milhões de brasileiros

Atualmente, 19 milhões de brasileiros acordam sem a certeza de que terão ao menos uma refeição para o dia. Dois anos atrás, eram 10 milhões. Com o crescimento da fome no país, houve registro de cenas como a ocorrida em Fortaleza.

No Ceará, cerca de 1 milhão de pessoas vive na extrema pobreza, com renda mensal de até R$ 89, conforme o Ministério da Cidadania.

Em Cuiabá, a distribuição de pedaços de ossos com retalhos de carne tem formado filas. O açougue, que distribui os ossos há dez anos, diz que isso acontecia antes apenas uma vez por semana e, agora, são três. A crise provocada pela pandemia só fez a fila crescer.

Açougue tem fila para doação de ossos em Cuiabá — Foto: TV Centro América

Açougue tem fila para doação de ossos em Cuiabá — Foto: TV Centro América

Pesquisadores que acompanham os desdobramentos sociais da pandemia afirmam que a dificuldade de milhões de brasileiros em se alimentar de maneira saudável vai ter impacto nas próximas gerações. A fome e a má alimentação podem gerar sérios problemas de saúde e desenvolvimento em crianças e adultos.

“As crianças têm um período de crescimento acelerado em que precisam de determinados nutrientes e de determinado aporte energético. Se elas não têm isso por um curto espaço de tempo, isso vai impactar no peso dela. Isso às vezes gera problemas escolares, atraso no desenvolvimento. Nos adultos, mesmo que eles não precisem de energia para crescer, tem prejuízo no sistema imunológico, na forma como se enfrentam doenças”, disse Elisabetta Recine, do Observatório de Políticas de Segurança

FONTE: G1 – 18/10/2021
FERNANDO CUNHA

EMPRESA QUE FEZ “PAREDÃO DE ELIMINAÇÃO” É CONDENADA

Por G1 CE

 


A decisão do juiz foi publicada no início do mês de maio pela 16ª Vara do Trabalho de Fortaleza. — Foto: TRT-CE/Divulgação

A decisão do juiz foi publicada no início do mês de maio pela 16ª Vara do Trabalho de Fortaleza. — Foto: TRT-CE/Divulgação

A Justiça do Trabalho do Ceará condenou uma empresa de turismo a pagar indenização por danos morais a uma consultora de vendas que foi demitida após votação pelos colegas de trabalho, em um procedimento similar ao “paredão de eliminação do BBB”, como descrito no processo.

A decisão do juiz Ney Fraga Filho foi publicada no início do mês de maio pela 16ª Vara do Trabalho de Fortaleza e determina o pagamento das verbas rescisórias, além dos danos morais. O valor total da condenação foi em torno de R$ 14 mil.

Em abril de 2020, a funcionária entrou com ação trabalhista contra as empresas Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade e MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria. A empregada informou que foi contratada em julho de 2019 e trabalhou nas salas da MVC em diversos estabelecimentos de Fortaleza.

Ao Tribunal Regional do Trabalho do Ceará (TRT-CE), ela afirmou que foi demitida pouco mais de um mês após sua admissão, mas não recebeu as verbas trabalhistas a que teria direito.

Processo de eliminação

De acordo com a trabalhadora, ela recebia tratamento constrangedor por parte do superior. O gestor restringia as idas ao banheiro, além da alimentação dos empregados. A demissão foi concretizada através de um procedimento inspirado no “paredão do BBB”.

Na ocasião da “eliminação”, os funcionários foram coagidos a votar em um colega de trabalho e dizer o porquê este deveria ser dispensado. A consultora foi escolhida por meio desse “paredão”. Ela alega que ainda sofre com depressão e traumas psicológicos em decorrência dessa exposição.

Testemunha também foi demitida

Uma das testemunhas foi também desligada na mesma situação. “Depois de atender entre 5 e 6 clientes, o gestor reuniu todos [os funcionários] e os levou para uma antessala, alegando que eles não haviam efetuado nenhuma venda e que eles só estavam preocupados em comer; informou que naquele exato momento ia fazer um “Big Brother” e mandou escolher um vendedor e um fechador para votar para sair da equipe; que naquele momento o depoente ficou constrangido e se recusou a votar”, registrou o juiz na sentença que condenou a empresa.

Versão das empresas

A empresa Somos Case Gestão de Timeshare e Multipropriedade Ltda, na contestação, negou o vínculo de emprego com a ex-funcionária, tampouco qualquer prestação de serviços a seu favor. A empresa requereu pela improcedência total dos pedidos e condenação da reclamante na multa por litigância de má-fé.

Já a ré MVC Férias e Empreendimentos Turísticos e Hotelaria alegou que não houve relação jurídica com a vendedora, sustentando que sua real empregadora era a outra empresa, negando a existência de grupo econômico.

A decisão de primeiro grau julgou parte dos pedidos procedentes e condenou as empresas, de forma que todos os devedores são responsáveis pela totalidade da obrigação.

Condenação por danos morais

Diante das provas documentais e testemunhais, o magistrado Ney Fraga reconheceu a ocorrência do assédio moral. “A hipótese de assédio pela chefia, ensejando dano moral indenizável, sem sombra de dúvidas restou provado nos autos. A prova foi sobeja em confirmar a dispensa da reclamante através de um paredão realizado pelo superior hierárquico, expondo a autora a uma situação extremamente vexatória e humilhante na presença dos demais empregados”, destacou o julgador.

A sentença determinou a anotação da carteira de trabalho, o pagamento de aviso-prévio, 13º salário, férias, horas extras, repouso semanal remunerado, multa, FGTS e indenização por danos morais. O processo se encontra em fase recursal, em que as partes podem manejar recurso contestando a decisão.

FERNANDO CUNHA – 25.06.2021

FONTE:

https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2021/05/24/empresa-que-fez-paredao-de-eliminacao-para-demitir-empregados-e-condenada-a-pagar-r-14-mil-por-danos-morais-no-ceara.ghtml –

JULIETE E GIL – O NORDESTE BOMBOU!

BBB 21': Juliette ganha videoclipe contando sua trajetória no reality show - Emais - EstadãoGilberto, do BBB 21, é aprovado com bolsa em PhD em universidade da Califórnia | NSC Total

Hoje JULIETE conta com 22 milhões de seguidores e GIL DO VIGOR com 8 milhões , o Nordeste tem 53.000 milhões de habitantes em 2020. O sucesso crescente de seguidores e admiradores mostra em determinado momento uma estratégia de marketing bem definida e de outra um marketing natural. Obviamente que a exposição diária na Rede Globo, onde detém uma fatia enorme de televisão, mostra a força da emissora em todo Brasil, o que justifica o investimento em propaganda das grandes empresas patrocinadoras e o retorno financeiro, exemplo clássico é que apenas uma fala da sister Juliete sobre um salgadinho, fez a procura e as vendas pipocarem. O celular que ela ganhou a prova do líder se esgotou. Até o nosso linguajar nordestino ganhou um sabor especial: cachorrada, ôxe, arretado, carniça, virou chic! Somando os 53.000 milhões de habitantes no Nordeste, hipoteticamente, juntando o número de seguidores dos dois brothers Juliete e Gil do Vigor, chegamos a invejáveis 30 milhões de seguidores, ou seja 60% do Nordeste estão com eles, isso sem contar claro que em todo Brasil temos seguidores e admiradores. Qual a marca que não gostaria de associar a este público? Nós nordestinos temos que agradecer a eles, pois a visibilidade que Pernambuco e Paraíba estão tendo é de causar inveja a qualquer cidade; Juliete se tornou uma embaixadora da cidade, e Gil do Vigor de Paulista, idem de mané pá e CDU Rio Doce! explicando: mané pá é uma avenida que liga a PE22 as praias de Paulista; CDU Rio Doce é um percurso feito de ônibus do bairro de Rio Doce até a cidade universitária, onde atravessa 02 cidades e percorre vários bairros, levando em média 1 hora:40 minutos pra chegar ao destino, lotado feito sardinha, o que torna a viagem mítica. Acredito que o sucesso e força  de ambos esteja calcado numa característica de nosso povo: sempre são verdadeiros, autênticos, não escondem suas raízes, amam sua terra e tradições, suas origens são o seu norte. Pernambuco e Paraíba cidades irmãs, se entrelaçam, se unem pra gritar bem alto: Nordestino sim senhor e com muito orgulho. E o prêmio terá necessariamente um Nordestino no pódio. meu palpite é Juliete, e Gil em segundo. Vamos torcer por nossa região.

Fotos: INTERNET

Fernando Cunha 28/04/2021

“A DANÇA DO CARPINTEIRO” E TOME PISEIRO

Por Rodrigo Ortega e Camila Rodrigues da Silva, G1

 

RADAR E OBSERVATÓRIO FEBRABAN- PESQUISA REVELA UM MISTO MEDO E ESPERANÇA

Na hipótese da situação financeira melhorar e as pessoas terem reserva para investir, a preferência é
utilizar os recursos que sobrarem sobretudo em investimentos bancários, realização de cursos e viagens.

EXPECTATIVA DE USO DAS SOBRAS DO ORÇAMENTO (%)
• 31%, investir na poupança; principalmente as
mulheres (35%) e os mais jovens entre 18 e 24
anos (39%).
• 27%, investir em outros investimentos
bancários; a maior parte entre homens (32%),
os maior escolaridade e renda (ambos com
42%).
• 25%, fazer cursos e melhorar a educação sua e
da família; com prevalência entre os que têm
entre 18 e 24 anos (37%).
• 25%, viajar; sobretudo os que têm nível
superior (33%) e renda acima de 5SM (34%).
• 23%, comprar imóvel; com destaque para
quem tem nível superior (26%), idade entre 25
e 44 anos (26%), renda acima de 5 SM (25%).
• 21%, reformar a casa; principalmente mulheres
(23%) e pessoas entre 45 e 59 anos (23%).
• 17%, fazer ou melhorar o plano de saúde; a
maior parte quem tem entre 18 e 24 anos
(22%). Comprar carro: 11%, especialmente nos
mais escolarizados (14%) e de renda mais alta
(16%).
• 11%, comprar carro; especialmente o público
de instrução (14%) e renda mais altas (16%).
• 10%, comprar eletrodomésticos/eletrônicos;
sendo 13% entre os jovens entre 18 e 24 anos.
• 6%, fazer seguro de carro, casa, vida ou outros;
com maiores percentuais entre quem tem nível
superior e renda acima de 5 SM (9% em
ambos).
• 3%, comprar moto; com predomínio entre os
homens (5%) e na faixa etária de 18 e 24 anos
(5%).

Televisão e redes sociais são as principais fontes de informação.
A televisão é a principal fonte de informação (TV aberta 57% e fechada 25%) para a
maioria dos entrevistados no RADAR FEBRABAN (em questão estimulada de múltiplas
respostas); as redes sociais comparecem com 52%, seguidas de blogs e sites (37%).
Outros meios citados são: rádio (17%), jornal impresso (10%) e revista (5%). Das redes
sociais (questão estimulada), a mais acessada é o WhatsApp (68%), seguida do Facebook
(48%), Instagram (47%), Google (42%), Twitter (14%) e Linkedin (8%)

Reconhecendo a gravidade do momento e ao mesmo tempo
mantendo a confiança em dias melhores, os sentimentos dos
brasileiros na primeira semana de março se dividem.
Sentimentos positivos – 50%
35% esperança
13% alegria
2% orgulho

Sentimentos negativos – 46%
21% medo
20% tristeza
5% raiva
Os homens aparecem no estudo um pouco mais esperançosos
(38%) que as mulheres (32%); e estas se sentem com mais medo
(25%) que eles (17%). A esperança é mais forte nas pessoas entre 25 e
44 anos e com renda acima de 5 salários mínimos (ambos 37%).
Quanto à escolaridade, esse sentimento prevalece igualmente em
quem tem o ensino fundamental e o superior (36%).

O mês de março inicia com um cenário difícil visto que o estágio da
pandemia do coronavírus no País alcançou seu ápice, com aumento
do número de contaminações, mortes e superlotação nos leitos.
74% Piora no quadro atual
9% Melhora
16% Situação está na mesma
A situação da pandemia do coronavírus no Brasil está melhorando, está na mesma ou está piorando?
Entre os que mais percebem uma piora no
quadro estão as mulheres e os idosos acima
de 60 anos (ambos 78%), os que têm nível
superior (76%) e quem tem renda entre 2 e 5
salários mínimos (75%).
A percepção sobre o agravamento advém, além da exposição ao
noticiário, da experiência pessoal com a Covid-19:
55% dos entrevistados têm familiares que já se contaminaram
52% deles perderam pessoas próximas para a doença

De proporção continental e com quantidade de vacinas insuficiente
para aplicação em massa, o Brasil está distante da “imunidade de
rebanho” e de evitar o surgimento de novas variantes.
Expressiva maioria dos brasileiros reclama do ritmo da vacinação:
Já se vacinou
68% Ainda não se vacinou, mas conhece alguém que já o fez
27% Não se vacinou, nem conhece ninguém que o tenha
Passado mais de um mês do início da vacinação, a imunizaçã

O tratamento dado pela mídia à divulgação da vacinação contra o
coronavírus é visto como positivo:
Mais
positivo
Mais
negativo 47% 26% 24%
63% Televisão 20% Redes sociais
7% Jornais e revistas 3% Parentes e amigos
2% Igrejas e templos 2% Rádios
Entre os que percebem as notícias como mais negativas e aqueles que não
confiam nas vacinas cresce a menção às redes sociais como o principal meio
de informação.
Apenas 19% dos entrevistados não confiam na segurança e na
eficácia da vacina. Porém, 77% avaliam a vacinação como única
forma segura e eficaz de se proteger da doença.

Fonte: Veja a íntegra da pesquisa –  https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/ID-RELATO%CC%81RIO%20OBSERVATO%CC%81RIO%20FEBRABAN%20-%20MARC%CC%A7O%202021_%20FINAL%205-compressed.pdf

FERNANDO CUNHA

PAULISTA – 05/04/2021

PANDEMIA E UM NOVO OLHAR DA GESTÃO PÚBLICA

O caos de mentalidade oposta e a ordem no conceito de pensamentos. Vetor Premium

Em 2020 vivemos aquilo que se chama ” o imponderável”. Os planejadores e os futuristas não imaginavam que pudesse ocorrer, muito menos os roteiristas de Hollywood. Pegou todo mundo de surpresa, calça curta. Bagunçou tudo e todos.

E agora povo? A realidade superou a ficção! Todos os governos ficaram atordoados, sem saber o que fazer. Então qual o caminho a seguir? Tivemos que aprender no dia-a-dia. A fórmula era apenas sobreviver, o dia de hoje é o mais importante. Quem achava que terminaria em 2020, dançou!

A pandemia causou estragos que não vai se recuperar tão cedo: desemprego, fechamento de empresas, endividamento; também abriu nossos olhos para os serviços básicos ofertados pelos governos: saúde, educação, apenas para ficar nestes dois. Não vou entrar no mérito dos hospitais sucateados e escolas sem estruturas.

Após as eleições de 2020, os novos gestores já com o ano perdido, e uma perspectiva sombria para 2021, tiveram que repensar o modelo de administração. Alguns, claro, fizeram um pequeno planejamento de sobrevivência e a população estão reconhecendo aqueles que pelo menos têm  um olhar no social e econômico.

OLHAR SOCIAL – manter os programas atuais e assistência para povos de vulnerabilidade social; A fome não espera.

OLHAR ECONÔMICO – criar mecanismos de emprego e renda mais rápidos; acionar toda equipe para estimular empreendedores.

OLHAR AMBIENTAL – ESSE FOI ESQUECIDO

 

UM  NOVO ÍTEN ENTROU NA LISTA: Quem acelerou a vacinação em suas Cidades com certeza tem um lugar especial na mente das pessoas.

Podemos sim melhorar com o aprendizado, cabe a nós escolher aquele que nesses tempos difíceis estendeu a mão para o próximo.

Fonte figura: freepik

FERNANDO CUNHA – Mba em Gestão Ambiental, Matemático, Pós graduado em Marketing, 38 anos setor financeiro. Aprendiz.

Paulista, 30/03/2021

EDUCAÇÃO FINANCEIRA – UMA NECESSIDADE URGENTE

Educação financeira: por que é importante?

2302
educação financeira

Quando a gente é jovem, muitas coisas são ensinadas na escola: física, química, biologia, matemática, português… Em casa, os pais ensinam como se comportar, aconselham por quais caminhos seguir e ajudam no que podem. Mas tem uma coisa que fica esquecida em toda família brasileira. Sabe o que é? Educação financeira.

Quando esse jovem começa a ganhar o seu salário, fica perdido com o que fazer com o dinheiro. Devo gastar? Devo poupar? Abro conta no banco? Na maioria das vezes, os pais ajudam a abrir uma conta no mesmo banco de toda a família e pronto. É isso que você aprende sobre dinheiro.

Na maioria das casas, o dinheiro é colocado como um problema e não uma solução ou oportunidade de ganhar mais. Recebeu o salário? “Vai pagar os boletos!” Sobrou dinheiro? “Você não esqueceu de pagar nenhuma conta?”. O jovem não ouve os pais conversarem sobre o assunto, também não se interessa em perguntar e assim segue o ciclo.

Um estudo realizado pelo Banco Central mostrou que, embora 64% dos brasileiros afirmem pagar suas contas em dia, 56% das pessoas assumiram não fazer orçamento doméstico ou familiar. E, pior, 69% afirmaram não ter poupado nenhuma parte da renda recebida nos últimos 12 meses!

Isso mostra como os brasileiros são despreparados quando o assunto é a vida financeira. E isso não é sua culpa, não! Como a gente disse ali em cima, é um ciclo. Seu avô não ensinou seu pai, que não ensinou você e você não vai ensinar seus filhos. É aí que precisamos mudar!

Educação financeira é um assunto MUITO importante e que deveria ser obrigatório até nas escolas — inclusive, estão surgindo algumas iniciativas nesse sentido. Dinheiro não deveria ser um problema! Saber lidar com as suas finanças é algo que todo mundo vai precisar fazer cedo ou tarde. Se todos aprendessem quando fossem crianças/jovens, seria muito menos traumatizante e as oportunidades de ganhar com investimento desde cedo seriam muito maiores.

Sabe quando uma criança recebe R$ 10,00 dos avós e sai comprando tudo em bala? Pode parecer besteira e exagero, mas é aí que começa a gestão do dinheiro e os pais podem ajudar muito nesse momento. Não importa se você tem 14 anos e ganha R$ 50,00 de mesada ou se você já tem 19 e ganha R$ 800,00 de bolsa-estágio — o aprendizado é o mesmo.

Na maioria das casas, infelizmente, o assunto “finanças” é tratado como uma coisa ruim. Quando os pais estão com uma dívida, os filhos não podem saber. É tudo sussurrado ou guardado a sete chaves. “O que está acontecendo, mãe?” e “Do que vocês estão falando, pai?” são perguntas sempre respondidas com “Nada! É sobre dinheiro! Coisa de adulto” e isso acaba sendo muito ruim para o desenvolvimento do filho.

Aqui no Yubb, a gente conhece muitas pessoas que são especialistas em finanças, youtubers que falam sobre o assunto, blogueiros da área e outros especialistas. Conversando com eles, a maioria relata que aprendeu tudo sozinho: “Nunca ninguém me ensinou!”. Eles pesquisaram, assistiram vídeos, baixaram aplicativos… Foram atrás para saber mais e descobriram um mundo novo!

“Mas por que vocês estão dizendo isso?” A gente quer dizer que nunca é tarde para aprender. Se você já é um adulto e quer saber mais sobre finanças, vá atrás! Existe muito conteúdo bacana e dá para aprender muito bem: basta ter esforço e dedicação.

No entanto, este post serve para te “alertar” sobre os benefícios da educação financeira. Ou seja, se você não aprendeu com os seus pais, que tal aprender agora e ensinar para os seus filhos? E se você que está lendo isso ainda for jovem, otimo! Chegou a hora de botar a mão na massa e aprender a cuidar do seu dinheiro.

Quer saber por que ter uma boa educação financeira é tão importante? Veja o infográfico e continue lendo o post.

educação financeira

Pelo infográfico, você já percebeu a importância de investir em educação financeira tanto nas escolas quanto em casa, certo? Agora vamos ver alguns itens para ir mais a fundo =)

1. Não vê dinheiro como um tabu

Como a gente disse ali em cima, muitas vezes o dinheiro é visto como um problema. Dinheiro é tido como sinônimo de contas, boletos, dívidas, dor de cabeça. Mas não tinha que ser assim! Quando as crianças/jovens aprendem, desde pequenas, a cuidar do seu dinheiro, ter consciência das suas finanças e veem os pais fazendo a mesma coisa, é muito mais fácil remover esse tabu e ver dinheiro como uma solução e uma oportunidade para ganhar sempre mais.

2. Gasta com consciência

Dívidas. O problema do brasileiro! =( Muitos acabam se endividando pelo fato de ganharem pouca renda e não saberem como organizar esses gastos (fique de olho no item 3 também!). Quando a pessoa tem contato com educação financeira desde cedo, os gastos são feitos com muito mais consciência.

Sabe aquela história de sair gastando no shopping? Ou parcelar a compra em várias vezes e ficar endividado no cartão de crédito? Para quem já sabe cuidar das finanças, isso é muito difícil acontecer! Como ela dá o devido valor ao seu dinheiro, não sai gastando sem pensar e é mais díficil se afundar em dívidas.

3. Mais organização

Demos um pequeno spoiler desse item, né? Organização é uma palavra extremamente importante quando o assunto é vida financeira. Quando alguém procura um coach financeiro, por exemplo, é muito comum que a dica “se organize” seja uma das primeiras.

“Mas em que sentido?” No sentido de controle! Você precisa escrever (pode ser em um caderninho, em uma planilha no Excel, em um aplicativo… tanto faz!) todos os seus gastos do mês para saber onde está indo o seu dinheiro, onde você pode economizar e como pode investir. Fizemos um vídeo muito bacana sobre esse assunto, clique aqui para conferir.

Para aqueles que têm contato com finanças desde cedo, isso é mais simples. Como a educação financeira esteve presente na vida daquela pessoa, é um hábito comum saber para onde está indo seu dinheiro e ser mais organizado.

4. Aprende a investir

Normalmente, quando alguém começa a investir o dinheiro e vê o dinheiro crescendo, a seguinte pergunta aparece: “Como ninguém me mostrou isso antes?”. E, realmente, isso é verdade. Por que ninguém conversa sobre investimentos?

Muitos brasileiros acabam deixando o dinheiro na poupança por pura falta de conhecimento. Alguns nem sabem que existem outras formas de investir que são tão seguras e práticas quanto a poupança, mas que rendem bem mais.

Quando um investidor explica o funcionamento disso para o seu filho ou outro familiar, a mensagem vai seguindo de pessoa para pessoa e o conhecimento vai atingindo cada vez mais gente de forma que investir seja uma coisa muito mais comum.

Se, desde pequena, a pessoa aprendeu a mexer com o seu dinheiro e tem o objetivo de fazer o seu dinheiro crescer, investir é uma consequência. É muito mais fácil ela ter a consciência de que dinheiro parado é furada e que aplicar é sempre uma ótima solução.

Nisso, o Yubb pode te ajudar! É só digitar quanto você quer investir (R$) e por quanto tempo (meses) para encontrar as opções disponíveis no mercado =)

5. Planeja o futuro

“Ué, vocês estão viajando! Eu não sei nada sobre finanças, mas sei planejar o meu futuro”. Vamos com calma! É claro que todo mundo consegue planejar o seu futuro, pensar o que quer fazer nos próximos anos e estabelecer metas.

A diferença está na forma que isso é feito. Se você tem uma vida financeira organizada, investe o dinheiro e tem um pouco de conhecimento sobre o assunto, as suas metas são muito mais fáceis de serem alcançadas e você consegue se planejar para realizá-las.

Por exemplo: você quer ir para a Disney dali a um ano. Se você não foi educado financeiramente, vai juntar um dinheirinho aqui e outro ali e talvez consiga cumprir o objetivo. Se você já mexe com finanças desde pequeno, vai saber exatamente de quanto dinheiro precisa, quanto vai economizar por mês, onde investir para o chegar lá e será muito mais fácil.

Isso também é interessante pelo fato de que você consegue ter metas mais reais – os sonhos inalcançáveis podem ficar para mais pra frente e você consegue se organizar para alcançar todos!

Se você entendeu o sentido do post, mas, infelizmente ainda não teve contato com finanças: não é tarde! É muito importante aprender sobre finanças quando se é criança/jovem, mas nada te impede de começar agora. Pelo contrário, todo dia é o melhor dia para começar =)

E, melhor ainda, você poderá passar essas informações para seus filhos e conhecidos. É um ciclo: a pessoa aprende, transmite para os filhos, eles crescem, ensinam para os seus filhos e assim por diante. Compartilhe esse post com os seus conhecidos e vamos transmitir juntos essa mensagem!

 

FONTE: https://blog.yubb.com.br/importancia-da-educacao-financeira/ 

FERNANDO CUNHA, PAULISTA 26/03/2021